Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 10 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ RGB/Movimento “Ba-Fatá” exorta José Mário Vaz a dissolver o parlamento

2017-03-03

(ANG) – O partido Resistência da Guiné-Bissau / Movimento “Ba-Fatá” quer que o Presidente da República, José Mário Vaz, dissolva o parlamento, por não conseguir ter uma maioria capaz de assegurar a estabilidade governativa na Guiné-Bissau.



Em conferência de imprensa realizada quinta-feira na sua sede em Bissau, o presidente do Movimento “Ba-Fatá”, Fernando Mendes, instou José Mário Vaz a demitir o actual governo, liderado por Umaro Sissoko Embaló, por este estar sem os instrumentos que viabilizem a sua actuação.

No encontro com os jornalistas, a RGB sugere, por isso, que o próximo chefe do executivo guineense seja uma figura isenta, idónea, com um nível intelectual, ético e moral inquestionável, capaz de dialogar com a sociedade guineense, com vista a formação de um “governo inclusivo”, onde todos os partidos possam indicar um determinado número de quadros com um perfil a discutir.

“Esse governo deverá ter uma agenda e um termo de referência bem definido, cuja missão deve essencialmente ser o de propor as reformas das leis, nomeadamente a Constituição da República e Lei Eleitoral, reformas na Função Pública e nas forças de Defesa e Segurança. Assegurar a isenção da Comissão Nacional de Eleições e preparar o país para novas eleições com condições de transparência e justiça” sugeriu Fernando Mendes.

O líder da RGB/Movimento “Ba-Fatá” entende que a presente legislatura está falhada, porque nenhum dos governos nomeados pelo Presidente da República conseguiu a sua legitimação na Assembleia Nacional Popular.

“O próprio Acordo de Conacri falhou, porque os seus patrocinadores do referido não foram contundentes na indicação do primeiro-ministro de consenso conforme o acordado. Verifica-se uma postura muito branda e conivente da Comunidade Internacional em relação a este assunto” acusou o líder da RGB.

Fernando Mendes voltou a elogiar as Forças de Defesa e Segurança pela postura imparcial que têm assumido ao longo da crise política, tendo apelado à Comunidade Internacional para assumir uma postura mais vigorosa no apoio para a solução da crise política guineense.

ANG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw