Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 17 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Presidência Aberta/ JOMAV anuncia sonho de desenvolver a Guiné-Bissau

2017-03-24

(ANG) - O Presidente da República, José Mário Vaz tornou público quinta-feira em Bafatá a sua pretensão de transformar a Guiné-Bissau numa terra desenvolvida.



"A concretização deste sonho exige de todos ultrapassar três importantes desafios: a promoção da paz e estabilidade; encaminhamento correcto das receitas do Estado e a implementação do projecto agrícola 'Mão na Lama'", indicou o chefe de Estado ao dirigir-se a população de Bafatá, no quadro da segunda fase da sua presidência aberta nas regiões.

José Mário Vaz afiançou que o primeiro desafio, ou seja, a promoção da paz e estabilidade já está "quase" concluída, uma vez que, sublinhou, as Forcas Armadas guineenses tornaram-se agora mais republicanas e não se imiscuem em assuntos políticos, contrariamente ao que faziam outrora.

Acrescentou ainda que os direitos básicos como a liberdade de imprensa, de expressão e de opinião tornaram-se hoje valores exercidos pela população sem represálias por parte das autoridades, ao contrário do que ocorria nos tempos anteriores.

"O medo acabou de vez na Guiné-Bissau, ninguém agora e espancado ou morto na calada da noite por questão de divergências políticas. Nenhuma criança se tornou órfão ou NENHUMA mulher se ornou viúva porque o presidente mandou matar o seu pai e marido", exemplificou o chefe de Estado guineense que considera isso "grande legado que deixa a Guiné-Bissau se cessar funções hoje".

Referindo-se a luta contra a corrupção, José Mário Vaz frisou que os recursos públicos desviados do cofre do Estado poderiam, muito bem, serem investidos na criação de empregos para a juventude, que "ronda cerca de 60 por cento", forca impulsionadora capaz de ajudar na transformação do pais.

No que concerne ao projecto agrícola, o Presidente da República lembrou que a maioria da população guineense vive no campo, pelo que deve-se aproveitar esta mão-de-obra e, ao mesmo tempo, mecanizar a produção agrícola.

"Devemos acreditar em nós mesmos e trabalhar para melhorar a nossa vida e o futuro dos nossos filhos", considerou o chefe de Estado que constantemente era interrompido pelos aplausos de milhares de cidadãos de Bafatá que afluíram ao comício popular realizado no centro da cidade.

O evento foi assistido por cerca de 20 régulos e pelo menos 80 imames e chefes de diferentes crenças religiosas vindos das diferentes localidades da região de Bafatá, cidade natal do líder Nacionalista, Amílcar Lopes Cabral.

ANG/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw