Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 23 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ Ex. Ministro das Finanças afirma que crise política põe em causa fundamentos do Estado Democrático

2017-03-31

(ANG) – O ex. ministro da Economia e Finanças, Geraldo Martins afirmou quinta-feira em entrevista à Rádio Jovem que a crise política que se instalou após a mesa redonda de Bruxelas,(Março de 2015) põe em causa os fundamentos de um Estado de Direito Democrático e desmobiliza os doadores internacionais perante a necessidade de se investir no país.



Segundo a Rádio Jovem, Martins disse que a crise política no país levou ainda os sucessivos governos a não poderem prestar as suas contas, e nem assinar contractos, e à Assembleia Nacional Popular (ANP) a não conseguir fiscalizar a acção governativa.

Acrescentou que, com a crise política o país deixou de receber o apoio externo de doadores internacionais e que as receitas internas do governo não conseguem cobrir as suas despesas, realçando que a Guiné-Bissau neste momento está a deparar-se com situações financeiras bastante difíceis.

Adiantou ainda que a mesa redonda de Bruxelas foi um acontecimento espectacular, porque o país conseguiu ter um crescimento sem precedente elevando a sua credibilidade e prestígio ao nível internacional.

Neste sentido, segundo ele, todas as expectativas alcançadas pelo país foram estragadas devido a instabilidade política ‘desnecessária’ dos últimos dois anos.

O antigo responsável das Finanças disse que o índice da pobreza terá aumentado nos últimos tempos na Guiné-Bissau e que muitas actividades empresariais foram suspensas devido a crise política.

Perguntado sobre a Presidência Aberta que está a ser levado à cabo pelo Presidente da República, Geraldo Martins respondeu que José Mário Vaz não fez isso para ouvir as populações, mas sim limitar-se apenas a passar mensagens de acusações ao líder do PAIGC e os seus adversários políticos, e denunciar a alegada corrupção na acção governativa.

“Esta Presidência Aberta tem impacto negativo, porque o Presidente da República está gastando dinheiro num momento em que o país enfrenta enormes dificuldades financeiras”.

ANG/ PFC/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw