Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 19 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ Líder do parlamento apoia regresso ao país dos antigos dirigentes exilados

2017-03-31

(ANG) - O Presidente da Assembleia Nacional Popular, Cipriano Cassamá declarou quinta-feira que apoia “sem reservas” o retorno ao país de todos os antigos dirigentes forçados a viver no estrangeiro por questões políticas.



Cassamá deu a garantia ao coordenador de um movimento cívico “Nô Djunta Mon pa Fidjus di Tchom Riba Kassa”, liderado pelo ex-ministro do Interior, Fernando Gomes, que luta pelo regresso de antigos governantes, nomeadamente Carlos Gomes Júnior, ex-primeiro-ministro guineense e Iancuba Indjai, líder partidário.

Vários antigos dirigentes guineenses estão a viver fora do país, nomeadamente em Portugal, na sequência do golpe militar de Abril de 2012 que derrubou os poderes eleitos e nos últimos tempos têm clamado pelo seu retorno.

O movimento cívico que quer o regresso ao país de todos os filhos da Guiné-Bissau encontrou-se quinta-feira com Cipriano Cassamá – primeiro titular de órgãos de soberania que os recebeu – para garantir a sua solidariedade.

Cipriano Cassamá “garantiu-nos a sua adesão a esta causa”, indicou Fernando Gomes, sublinhando não acreditar que algum político guineense “terá coragem de negar o regresso” aos antigos governantes.

O líder do Parlamento afirmou ser “obrigação dos órgãos de soberania” garantir a segurança daqueles que queiram regressar e que o próprio estará no aeroporto no dia em que Carlos Gomes Júnior e os outros estiverem a chegar ao país.

Fernando Gomes adiantou que Cipriano Cassamá prometeu endereçar pessoalmente uma carta – em nome do Parlamento – aos cidadãos guineenses que foram obrigados a fixar residência fora do país a voltarem assim que o entenderem.

Para já, o líder do Parlamento guineense assinou uma petição lançado pelo movimento para mostrar o seu interesse pelo retorno ao país dos ex-governantes.

A petição visa juntar o mínimo de 50 mil assinaturas de guineenses que querem o regresso, “em condições de segurança”, de todos os ex-governantes. A petição será entregue posteriormente aos titulares de órgãos de soberania e aos organismos internacionais sedeados em Bissau.

Fernando Gomes diz que a adesão à iniciativa está a superar as expectativas e brevemente será tornado público o número de subscritores da ideia.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw