Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 15 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Violência contra africanos/ Ataque a estudantes na Índia gera repulsa das autoridades nigerianas

2017-04-03

(ANG) - A Nigéria protestou formalmente contra a violência que tem atingido cidadãos seus na Índia. Bandeira da Nigéria



Os actos em causa, dirigidos igualmente a africanos de outras origens, tiveram uma manifestação particularmente chocante na semana passada, quando uma multidão atacou estudantes negros numa cidade-satélite da capital da Índia, Nova Deli.

O pretexto da violência foi a morte de um adolescente indiano, supostamente devido a uma overdose. Não demorou a espalhar-se o rumor de que teriam sido africanos a fornecer a droga, e a polícia deteve cinco estudantes estrangeiros.

Quando a autópsia desmentiu que tivesse havido qualquer overdose, os estudantes foram libertados mas já era tarde para parar a história. Desde paus a cadeiras, tudo serviu para bater em dois jovens africanos. Um deles já se encontrava inconsciente no chão e continuava a ser agredido.

Houve outros casos na mesma linha, incluindo o de uma jovem que foi agredida pelo próprio taxista que a transportava e o de um jovem que foi espancado por um gangue.

Para a Amnistia Internacional, essas cenas ilustram o preconceito e a discriminação que existem contra os africanos na Índia. “Muitos dos feridos foram atacados unicamente devido à cor da sua pele”, diz um representante da organização. “Isto são crimes de ódio, e as autoridades precisam de garantir que os responsáveis são punidos”.

Um porta-voz do Governo indiano explicou que os ataques “representam acções de uns poucos mal informados e desorientados”. Disse que o país continua empenhado em acolher estudantes africanos, e prometeu agir, referindo que já houve prisões e que “um largo número de pessoas se encontram sob vigilância”. A questão, porém, não se resolve só com medidas repressivas. Vários notaram a natureza endémica do problema, lembrando os insultos e outros maus-tratos que os africanos recebem no país. Além de histórias sobre tráfico de droga, raptos e homicídios, há muita gente que associa os africanos ao canibalismo, por exemplo.

Uma apresentadora de televisão, Sonia Singh, falou em “vergonha nacional” e assinalou um paradoxo: “Veja-se como a Índia reage sempre que há algum tipo de ataque racista contra indianos noutras partes do mundo. Alguma vez paramos para pensar como tratamos as pessoas de outras nacionalidades que vivem na Índia?”.

A União Africana (UA) condenou já os ataques contra estudantes africanos nos arredores de Nova Deli, que deixaram vários feridos. “Lamentamos a violência ocorrida nos distúrbios que começaram na segunda-feira, que tiveram como vítimas africanos de várias nacionalidades, particularmente nigerianos”, afirmou a União Africana em comunicado.

ANG/JA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw