Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 15 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Kuwait/ Patroa filma empregada a cair da janela em vez de a ajudar

2017-04-10

(ANG) - Uma empregada doméstica caiu da janela de um sétimo andar, no Kuwait, enquanto a sua empregadora filmava tudo, sem a ajudar. O caso está a gerar revolta e defensores dos direitos humanos notam que exemplifica o abuso generalizado sobre os trabalhadores domésticos na zona do Golfo Pérsico.



O vídeo com o arrepiante momento em que a empregada doméstica pede ajuda, perante a inércia da patroa que se limita a filmar, foi publicado nas redes sociais e está a gerar muita revolta e a chocar o mundo.

O vídeo começa com a empregada, que será de origem etíope, pendurada na janela apenas por uma mão e a gritar, pedindo ajuda.

“Segure-me, segure-me”, diz a mulher, conforme a tradução do jornal Kuwait Times. “Louca, volta para dentro”, responde a patroa enquanto continua a filmar, conta a publicação. A empregada acaba por cair em cima de um toldo que amortizou a queda, sobrevivendo assim, ao incidente apenas com um braço partido.

A patroa foi detida pelas autoridades e terá alegado que a empregada estava a tentar suicidar-se e que não a ajudou para não ser acusada de homicídio.

A polícia está a investigar o caso. O advogado Nouf Al-Ruwaih explica ao Kuwait Times que a mulher pode ser acusada de negligência ou de falta de auxílio, incorrendo, nestes casos, numa pena máxima de três meses de prisão ou numa multa.

Ainda segundo o jornal, a empregada terá sido dada como desaparecida pelo seu empregador original, em 2014, e terá sido contratada pela actual patroa de forma ilegal.

No Kuwait há cerca de 600 mil imigrantes, de acordo com estimativas da organização não governamental Human Rights Watch que tem recolhido vários casos de abusos e de exploração destes trabalhadores.

O jornal norte-americano The Washington Post refere que “não é a primeira vez que um empregado doméstico cai de um edifício no Kuwait”.

Há relatos de patrões que atiram empregadas de janelas do terceiro andar, como forma de castigo, e alguns trabalhadores saltam eles próprios pela janela para tentar escapar aos abusos de que são alvos. A argumentação dos patrões é então, que tentaram suicidar-se.

Num país rico em petróleo, com cerca de 3 milhões de habitantes, contratar empregados domésticos é prática acessível a muitas famílias e milhares de imigrantes estão dispostos a trabalhar por pouco dinheiro, ficando à mercê da exploração dos seus empregadores.

A Human Rights Watch aponta casos de patrões que encerram os seus empregados em apartamentos, não lhes permitindo sequer sair à rua e agredindo-os.

Em 2015, o Kuwait aprovou a primeira Lei de protecção aos trabalhadores estrangeiros proibindo os empregadores de lhes confiscarem os passaportes, concedendo-lhes um dia de folga por semana, férias pagas e um máximo de 12 horas de trabalho por dia.

Mas na prática, aquilo que é recorrente é a chamada lei da “kafala“, em que os imigrantes abdicam de direitos para conseguirem um visto de trabalho.

Estamos a falar de uma forma de escravatura que é um pouco generalizada em todos os países do Golfo Pérsico. E o Kuwait é visto como o mais progressista de todos.

ANG/ZAP


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw