Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Sociedade
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Sociedade/ Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar vigília em Bissau

2017-04-11

(ANG) - A Polícia usou no Sábado granadas de gás lacrimogéneo para dispersar uma vigília de um grupo de cidadãos inconformados com a crise política no país e que estavam a protestar no centro de Bissau.



segundo a Lusa, Lesmes Monteiro, porta-voz do Movimento de Cidadãos Conscientes e Inconformados (MCCI) com a crise política, a polícia exigiu que acabassem com a vigília que tinha sido iniciada 30 minutos antes, o que os manifestantes recusaram.

«Começaram a empurrar-nos e logo de seguida dispararam granadas de gás lacrimogéneo», afirmou ainda Monteiro, um conhecido cantor de intervenção social e política da Guiné-Bissau e um dos líderes do MCCI.

O dirigente explicou que a polícia carregou sobre os manifestantes à cacetada, tendo alguns ficado feridos, com escoriações.

A manifestação, que era pontuada com velas acesas em frente à sede do Sport Bissau e Benfica, era constituída essencialmente por jovens.

Do grupo, sete jovens foram detidos durante algumas horas no comissariado da Polícia de Ordem Pública (POP).

Fonte da corporação disse à Lusa que os jovens foram levados para a esquadra «como medida de precaução» mas que «ninguém sofreu qualquer violência física» até serem postos em liberdade.

Lesmes Monteiro confirmou a versão da polícia, mas esclareceu que os manifestantes só saíram em liberdade com a intervenção de elementos da UNIOGBIS (gabinete integrado das Nações Unidas para consolidação da paz na Guiné-Bissau) e da Liga Guineense dos Direitos Humanos, avisados pelo MCCI, disse.

Apesar da intervenção policial, que Monteiro considera de «ilegal e inaceitável num Estado de direito», o dirigente diz que o movimento vai continuar a luta «contra o regime do Presidente guineense, José Mário Vaz», a quem responsabiliza pelo sucedido.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw