Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sábado, 17 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Itália/ G7 falha acordo sobre sanções contra Moscovo

2017-04-12

(ANG) - O grupo dos sete países mais desenvolvidos do mundo (G7) não conseguiu terça-feira chegar a acordo sobre a aplicação de novas sanções económicas a Moscovo, por apoio ao Governo do Presidente sírio, Bashar al-Assad.



Os membros do G7 concordaram no adiamento da aplicação de novas sanções, até que surjam “evidências irrefutáveis” sobre um alegado ataque químico, cuja responsabilidade é atribuída pelo Ocidente às autoridades de Damasco.

A proposta de sanções, colocada em cima da mesa por Boris Johnson, o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, incluía a penalização financeira de altas figuras militares da Rússia e Síria.

Angelino Alfano, ministro italiano dos Negócios Estrangeiros, confirmou a ausência de um consenso em matéria de sanções ao afirmar que qualquer acção que pudesse penalizar ou isolar ainda mais a Rússia “seria errada”.

Entretanto, o grupo de líderes do G7 concordou que o afastamento do Presidente sírio é um ponto essencial para que seja encontrada uma solução do conflito.

Citado pela agência Ansa, Alfano sublinhou que a intervenção dos Estados Unidos na semana passada à base aérea de Shayrat, a primeira intervenção directa de Washington em território sírio desde o inicio da guerra civil, em 2011, potenciou uma nova “janela de oportunidade para construir novas condições positivas para o processo político na Síria”.

A intervenção ordenada durante a madrugada de sexta-feira pela Administração Trump surgiu em resposta ao ataque químico na província de Idlib, atribuído pelo G7 ao Governo do Presidente Bashar al-Assad, e que fez mais de 80 mortos.

O encontro do G7 que decorreu entre segunda e terça-feira em Lucca, na região italiana da Toscânia, previa determinar uma posição conjunta das potências ocidentais antes da viagem do chefe da diplomacia de Donald Trump, Rex Tillerson, à capital russa, realizada ontem.

ANG/JA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw