Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 19 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Politica/ Presidente do Movimento Patriótico condena espancamento do activista Lesmes Monteiro

2017-04-18

(ANG) - O Movimento Patriótico (MP), na pessoa do seu presidente, condenou segunda-feira o espancamento do activista e porta-voz do Movimento dos Cidadãos Conscientes e Inconformados (MCCI), Lesmes Monteiro, no seu domicílio.



Em conferência de imprensa, o Presidente do MP, José Paulo Semedo pediu a responsabilização dos autores.

“O agravante de tudo é que o activista fora comunicado de antemão que havia um plano para sua execução e mais três dos membros desta organização da sociedade civil”, disse o presidente do MP.

O líder do MP condena e responsabiliza os órgãos competentes pelo acto que chama de “cobarde e bárbaro” de espancamento do porta-voz do MCCI e suposta ameaça à liderança desta organização da sociedade civil.

“O MP responsabiliza o Presidente da República, o Primeiro-ministro, o ministro da Administração Interna, o Procurador-geral da República e o director da Policia Judiciaria pelo acto”, disse.

José Paulo Semedo ainda apontou o Procurador-geral da República, Sedja Man, que apesar do acto ser de conhecimento geral, não procedeu com qualquer actuação no sentido de perseguir, identificar e punir os seus responsáveis materiais.

Por outro lado, o presidente do Movimento Patriótico “condena com veemência” visita do presidente do Senegal à Guiné-Bissau, “porque o país não tem governo constitucional e assim sendo não tem condições de assinar qualquer tratado”.

“Ao senhor presidente do Senegal, Macky sall, a Guiné-Bissau mantém uma excelente relação com o povo senegalês, a sua vinda ao nosso país não será bem-vinda”, avisou.

O líder do MP disse que o presidente senegalês deve actuar em harmonia com as posições da CEDEAO e das forças políticas democráticas da Guiné-Bissau com vista ao cumprimento do acordo de Conacri.

ANG/FGS/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw