Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sábado, 17 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


República Centro Africana/ Unicef pede apoio urgente para milhares de crianças

2017-05-08

(ANG) - O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) alertou no sábado que sem o reforço do apoio fica em risco “a vida e o futuro” de mais de um milhão de crianças na República Centro Africana.



“Não podemos permitir que a RCA (República Centro Africana) se torne uma crise humanitária esquecida”, afirmou Christine Muhigana, representante da UNICEF no país, citada num comunicado da organização.

“A realidade é que sem apoio suficiente não teremos capacidade para proporcionar os serviços vitais necessários para manter as crianças saudáveis, em segurança e na escola”, referiu.

Segundo a UNICEF, a recuperação da RCA é frágil e continua a ser um problema a violência esporádica e a instabilidade, estimando-se em cerca de 890 mil o número dos que tiveram de fugir das suas casas e em 2,2 milhões, metade dos quais crianças, os que precisam de assistência humanitária.

A violência e a deslocação generalizada “deixaram as crianças especialmente vulneráveis em termos de saúde, exploração e abuso”, indica o comunicado.

“Quase metade das crianças menores de cinco anos (41 por cento) sofre de má nutrição crónica que compromete o seu desenvolvimento físico e intelectual, e uma em cada sete crianças morrerão antes dos cinco anos e um terço das crianças não estão na escola”, refere a agência da ONU.

Em 2017, a UNICEF e organizações parceiras pretendiam tratar 29.585 menores de cinco anos com desnutrição aguda e dar apoio psicossocial a 50 mil crianças.

“Proporcionar a 320 mil pessoas acesso aos serviços de saúde essenciais e fornecer água potável a 450 mil pessoas deslocadas e às comunidades que as acolhem” são outros dos objectivos daquelas organizações para o corrente ano.

No entanto, a UNICEF “tem um défice de financiamento de 32,6 milhões de dólares (29,6 milhões de euros)” e a RCA é considerada um dos países “mais perigosos para o pessoal das organizações humanitárias”, com 14 incidentes envolvendo estas organizações registados apenas em Março.

“Os serviços sociais continuam a não existir em muitas zonas do país onde as organizações humanitárias têm de prestar assistência de emergência às populações mais vulneráveis”, assinalou Christine Muhigana, adiantando que “o Fundo das Nações Unidas para a Infância está a trabalhar para levar assistência humanitária a áreas afectadas pelo conflito e a trabalhar com o Governo na recuperação das zonas que são seguras”.

ANG/JA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw