Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 16 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Bona/Alemanha/ Negociações sobre o clima retomadas hoje

2017-05-08

(ANG) - A cidade alemã de Bona acolhe a partir de hoje uma reunião técnica de dez dias, para discutir aspectos ligados com a implementação do acordo de Paris sobre o clima, numa altura em que os Estados Unidos ameaçam abandonar o pacto que procura limitar o aquecimento do planeta.



“Temos de começar a definir de maneira operativa as disposições do Acordo de Paris” antes da 23.ª Conferência das Partes (COP23), que vai ser presidida pelas Ilhas Fiji e realizar-se em Bona no final de 2017, disse David Levaï, pesquisador do Instituto de desenvolvimento sustentável e de relações internacionais (Iddri).

Na reunião de Bona devem estar presentes peritos e representantes de 196 países e organizações internacionais.

No final de 2015 em Paris, 195 países e a União Europeia (UE) conseguiram chegar a um acordo para combater o aquecimento global, o que implica - entre outras medidas - uma transição energética radical que substitua as energias fósseis (carvão, petróleo, gás). A Palestina juntou-se depois à Convenção do Clima da ONU.

Em Marrakech (Marrocos), na COP22 de Novembro passado, os negociadores ficaram abalados com a eleição do céptico das mudanças climáticas Donald Trump nos Estados Unidos, mas demonstraram solidariedade e determinação para prosseguir com os seus esforços. Desde então, a nova Administração de Washington não deixou claro se quer ou não sair do Acordo de Paris, mas começou a desmantelar a política ambiental impulsionada pelo ex-Presidente Barack Obama.

A Casa Branca deve anunciar as suas intenções no final deste mês. A próxima reunião do G20, no início de Julho, na Alemanha, também deve servir de “esclarecimento”, garantiu Laurence Tubiana, ex-negociadora francesa, para saber se o clima continua no topo da agenda dos países mais poderosos.

Os membros do G20 representam cerca de três quartos das emissões mundiais de gases do efeito estufa. A reunião de Bona (8-18 Maio) vai ser “muito técnica”, mas “a especulação sobre a posição de Washington figura no topo das nossas preocupações”, disse à AFP Thoriq Ibrahim, ministro do Meio Ambiente das Maldivas, em nome dos pequenos Estados insulares.

Além da sua vontade de apoiar a exploração de energias fósseis, Trump prevê deixar de financiar o Fundo Verde para o clima, a Convenção do Clima da ONU (que supervisiona as negociações) e o Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre a Evolução do Clima (Giec).

Apesar dos maus sinais enviados pela administração americana, alguns opinam que as negociações poderão avançar.

“Os Estados Unidos de Barack Obama ajudaram-nos muito a construir o Acordo de Paris, mas o futuro do planeta Terra não está só nas suas costas” afirmou Laurence Tubiana, aludindo aos grandes países emergentes, como a República Popular da China (maior poluidor do planeta), Índia (4º) e Brasil.

No entanto, a situação actual cria “um contexto difícil”, segundo opinião de Paula Caballero, do World Resources Institute, com sede em Washington, já que “agora a liderança (para uma acção em favor do clima) está muito difusa”.

Para que o Acordo de Paris possa ser plenamente aplicado a partir de 2020, várias disposições devem ser aprofundadas.

Os países têm até à COP24, na Polónia em 2018, para redigir uma espécie de manual (“livro de regras”) sobre o Acordo de Paris.

Até lá, devem decidir de que forma fazem um pré-balanço em 2018, de carácter voluntário e chamado “diálogo facilitador”. Trata-se de saber que informações devem ser dadas e com que finalidade.

Esta nova reunião foi agendada porque os cientistas consideram que os compromissos dos países adoptados antes da COP 21 implicam um aumento médio da temperatura global de 3°C em relação à era industrial, e que as emissões devem ser reduzidas o mais rápido possível para que a subida da temperatura fique abaixo de 2°C, um nível que já traria enormes alterações em grande escala.

ANG/JA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw