Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 23 de Agosto de 2017
Todas as categorias
Cultura
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Kriolofonia/ Cidadãos pedem criação de normas para facilitar a aprendizagem

2017-05-16

(ANG) - Um grupo de cidadãos terminou sexta-feira, em Bissau, a terceira jornada da Kriolofonia em que discutiram os caminhos para criar normas para o crioulo guineense, falado por mais de 90 por cento da população do país.



Segundo a agência Lusa, o sociólogo Spencer Embaló, da organização da terceira jornada da Kriolofonia, disse que “saber o crioulo de forma correta também pode levar a que se conheça bem o português e outras línguas”.

O Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Portuguesa, o Centro Cultural Português e vários cidadãos portugueses a trabalhar na Guiné-Bissau participaram nos `Djumbais´ (encontros temáticos), em que foram discutidos os caminhos para normatização do crioulo, em diferentes locais abertos de Bissau.

Num dos `Djumbais´, Filipa Gonçalves, uma investigadora portuguesa, defendeu que ter um bom domínio do crioulo também ajuda na utilização do português.

O sociólogo Spencer Embaló concordou com a ideia e salientou que o segredo está no conhecimento da estrutura da língua.

O contrário também se aplica, isto é, quem conhecer bem a estrutura da língua portuguesa não terá dificuldades em praticar ou utilizar o crioulo de forma correta, defendeu Embaló, afastando qualquer antagonismo no uso das línguas crioula e portuguesa na Guiné-Bissau.

A próxima jornada da Kriolofonia está prevista para 2019.

Da edição deste ano, Spencer Embaló destacou as reflexões e a aprendizagem recolhidas nos encontros com os alunos de escolas de cegos, surdos e mudos, com os jornalistas que trabalham com o crioulo e ainda com os investigadores e escritores.

A organização quer agora arranjar financiamentos para encomendar um estudo aprofundado da língua crioula para determinar se já é altura para solicitar ao poder político a normatização.

“O crioulo serve-nos neste momento socialmente; é preciso levá-lo a servir-nos formalmente”, disse Embaló, que dá um horizonte de 20 anos para que o crioulo seja falado, escrito e utilizado com todas as regras e normas de uma língua.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw