Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 16 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Republica Centro Africana/ Guterres condena ataques a civis e às forças da ONU

2017-05-16

(ANG) - O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, condenou num comunicado, divulgado no domingo, os recentes ataques contra civis e membros das forças de paz da ONU na cidade de Bangassou, na República Centro Africana (RCA) e reafirmou o mandato da missão da ONU nesse país.



Os ataques “levaram a um significativo deslocamento da população, um número indeterminado de vítimas civis e à morte de um soldado de paz marroquino, elevando a seis o número de pacificadores assassinados na RCA nesta semana”, refere o documento.

António Guterres afirmou estar “indignado” com os incidentes ocorridos entre sexta e sábado e reafirmou “a determinação da ONU para avançar na implementação do mandato da missão que a ONU tem na RCA (Minusca)”.

O Secretário-Geral da ONU reafirmou o “profundo agradecimento aos países contribuintes das tropas e da Minusca por seu apoio” e disse que “estes recentes incidentes demonstram amplamente que a situação na RCA é ainda frágil e há necessidade de um apoio sustentado regional e internacional para superar os desafios.”

Guterres apresentou condolências à família do soldado de paz morto e às autoridades marroquinas, reiterou que o assassinato de pacificadores pode constituir um crime de guerra, como avisou o Conselho de Segurança das Nações Unidas na semana passada.

Condenou os ataques contra a população civil e a Minusca e fez uma chamada às autoridades do país para que investiguem o ocorrido e “levem rapidamente os responsáveis perante a Justiça.”

Pelo menos, 12 civis e um membro da Minusca morreram na madrugada de sábado num ataque da milícia anti-balaka a uma sede da ONU em Bangassou, no sudeste do país.

A Minusca está a enviar reforços à cidade de Bangassou, no sudeste do país, onde um grupo armado abriu fogo no fim-de-semana, matando um número não revelado de civis e, pelo menos, um soldado de paz da ONU.

Numa nota, a Minusca afirmou que “elementos armados continuam a atacar de forma deliberada e sistemática com armas pesadas” a base da missão para impedir que esta conduza a sua “tarefa extremamente vital de proteger a população civil e desviá-los da sua principal vocação de salvar vidas.”

ANG/JA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw