Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 11 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


ONU/ Comité de Sanções visita Bissau em junho

2017-05-23

(ANG) - Uma delegação do Comité de Sanções da ONU visita a Guiné-Bissau em junho para se inteirar da situação política e dos direitos humanos no país, informaram segunda-feira à Lusa fontes do Governo guineense e da ONU.



A visita decorrerá entre os dias 12 e 15 de junho.

Segundo a Lusa, a delegação deverá encontrar-se com «as mais altas autoridades» guineenses, líderes políticos e elementos da sociedade civil e no final da missão irá produzir recomendações ao Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A missão deveria visitar Bissau em julho mas «dados aos últimos desenvolvimentos» relativamente à crise política, decidiu antecipar a viagem para junho, indicou fonte da ONU.

A deslocação do Comité de Sanções das Nações Unidas à Guiné-Bissau acontecerá dias depois do fim do prazo dado aos atores políticos guineenses pela Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) para acabar com o impasse político que há dura há cerca de dois anos.

O ultimato da CEDEAO termina a 25 de maio e se até lá não for aplicado o Acordo de Conacri, um documento patrocinado pela organização sub-regional, serão aplicadas sanções contra os que impedirem a sua execução.

A ONU, através de uma resolução voltada pelo Conselho de Segurança no passado dia 11, também apoia a aplicação do Acordo de Conacri, tendo instado de forma direta o Presidente guineense, José Mário Vaz, a respeitar o acordo.

No essencial, o Acordo de Conacri, prevê a nomeação de um novo Governo na base de consenso de todos os partidos representados no Parlamento e cujo primeiro-ministro será uma figura também apoiado por todos.

O líder guineense, José Mário Vaz, já disse que não irá demitir o atual primeiro-ministro, Umaro Sissoco Embaló, se o seu programa não for chumbado no parlamento.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw