Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Florestas e Pecuária/ Secretária de Estado indignada com alegado desvio de receitas geradas

2017-05-23

(ANG) - A Secretária de Estado de Floresta e Pecuária considerou de inadmissível alegados desvio de elevadas somas em dinheiro das receitas para proveito pessoal por parte dos delegados florestais.



Segundo o Jornal Nô Pintcha na sua última edição, Maria Evarista de Sousa fez essa consideração num encontro com os responsáveis das florestas no qual foi feito a análise do relatório do pessoal ligado a sua instituição enviado de diferentes regiões e que espelham o desenrolar das actividades florestas.

A Secretária das Floresta e Pecuária explicou que no encontro ficou esclarecido que a repartição dos recursos florestais é a encarregada de emissão de licenças de exploração dos produtos florestais e não o fundo do fomento florestal.

Crticou ao que chamou de incapacidade das Delegacias Regionais em controlar rigorosamente as cadernetas entregues pela secretaria de estado das florestas e pecuária para o registo dos ganhos monetários obtidos.

Maria Evarista de Sousa revelou que em resultado das apreensões produtos florestais como cibes, lenhas, carvão e krintins feita recentemente, descobriu-se um operador que vinha exercendo com uma licença fora de prazo.

A Secretária revelou que a equipa de inspecção enviada ao local , constituída do Assessor para Administração e Finanças, Inspector da Direcção geral das Florestas, elemento da Brigada de Natureza e Ambiente detectou inúmeras irregularidades.

“Os operadores continuam à exercer com licenças desactualizadas e essas responsabilidades sao dos delegados regionais e da Brigada de protecção de Natureza e Ambiente na qualidade de fiscalizador da floresta”, responsabilizou a governante.

Maria Evarista de Sousa disse que as pessoas estão a cortar mata sem pensar nas consequências que possam advir.

A secretária reconheceu as dificuldades do funcionamento das delegacias regionais, no entanto, exortou-os a estarem vigilantes em relação aos predadores dos recursos florestais de modo a garantir a continuidade de vida das populações.

ANG/AALS/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw