Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 18 de Julho de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Nigéria/ Estudo revela que posses dos 5 homens mais ricos do país podiam acabar com a fome no país

2017-05-24

(ANG) - O relatório “Desigualdade na Nigéria”, publicado esta quarta-feira pela Oxfam, revela que a riqueza dos cinco homens mais ricos da Nigéria, cerca de 29 mil milhões de dólares, poderia eliminar toda a pobreza no país.



Segundo a Forbes, os cinco homens mais ricos da Nigéria são: Aliko Dangote, Mike Adenga, Femi Otedola, Folorunsho Alakija e Abdul Samad Rabiu, num país onde mais de 112 milhões de pessoas vivem no limiar da pobreza.

A desigualdade económica é um fator decisivo por detrás do conflito que tem levado à grave crise de fome no nordeste da Nigéria. O relatório denuncia o crescente contraste entre os ricos e os pobres na Nigéria, e explica como os benefícios do crescimento económico do país têm sido aproveitados exclusivamente por uma elite muito restrita, em detrimento das condições de vida do resto da população.

A Oxfam concluiu que o homem mais rico da Nigéria ganha, em apenas um dia, 8 mil vezes mais dinheiro, do que o total necessário para cobrir as necessidades básicas de um nigeriano durante todo o ano.

A ONG revela ainda que, o homem mais rico da Nigéria, teria que gastar 1 milhão de dólares por dia durante 42 anos, para conseguir gastar toda a sua fortuna.

Apesar de ser uma das maiores economias do continente africano, a Nigéria é um dos países onde a pobreza mais tem vindo a crescer. Entre 2004 e 2010, registou-se um aumento de 69 milhões para 112 milhões de pessoas a viver abaixo do limiar da pobreza.

Em oposição, o número de milionários cresceu 44 por cento durante o mesmo período.

O estudo refere-se ainda à questão do género na Nigéria, onde a mulher representa entre 60 e 69 por cento da mão-de-obra rural e, na grande maioria, tendem a ser menos bem pagas que os homens.

A Nigéria é também um dos países onde a distribuição do orçamento nacional é mais desigual, e a Oxfam explica porquê: em 2012, a Nigéria gastou 6,5 cento na educação, e apenas 3,5 por cento do orçamento nacional do Estado, na saúde. Isto significa que 57 milhões de nigerianos têm falta de acesso a água potável, saneamento básico e educação, com 10 milhões de crianças sem oportunidade de frequentar a escola.

Celestine Okwudili Odo, Coordenadora do Programa de Boa Governação da Oxfam, sublinha que “A Nigéria não é um país pobre, mas milhões vivem com fome” e reforçou que o Governo “deve libertar milhões de nigerianos da pobreza, construindo um novo sistema político e económico que funcione para todos e não apenas para alguns afortunados”.

Para além disso, Okwudili Odo acrescenta que o Governo da Nigéria deve combater a corrupção, assegurar que os indivíduos mais ricos pagam uma taxa justa de impostos, investir em serviços públicos e proteger os direitos das mulheres.

ANG/ e-Global Notícias em Português


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw