Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 20 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Crise política/ Carga policial deixa mais de 25 feridos graves e ligeiros

2017-05-30

(ANG) - As forças de segurança dispersaram de uma forma violenta no Sábado a manifestação pacifica de cidadãos que exigiam o fim da crise política no pais, tendo o acto resultado em mais de duas dezenas de feridos, alguns com gravidade.



De acordo com o jornal O democrata, os manifestantes atiraram pedras, embalagem plástica de água contra a força policial barricada no cruzamento entre avenida Francisco Mendes e rua Osvaldo Vieira [sede de Sport Bissau e Benfica], impedindo a passagem dos manifestantes para imediações do Palácio da República [Praça dos Heróis Nacionais].

A marcha organizada pelo Movimento dos Cidadãos Conscientes e Inconformados (MCCI) em colaboração com a Associação de Jovens Pan-africanistas (AJOPAR) contou igualmente com participações de dirigentes do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), do Partido da Solidariedade e Trabalho (PST) e algumas figuras políticas.

A marcha teve início na rotunda do Aeroporto Osvaldo Vieira com um número reduzido de manifestantes, no entanto, a medida que os manifestantes desciam para o centro da cidade, aumentava a aderência.

Os marchantes seguiram a avenida principal ‘Combatentes de Liberdade da Pátria’ e proferiam algumas palavras de ordem em crioulo: “Dinheiro di povu na bolsu di JOMAV; Doze milhões di dólar na bolsu di JOMAV; Quinhentos milhões na bolsu di JOMAV; Povu i ka lixu, lixu i na Palácio”, entre outras palavras que se podia ouvir em couro da parte de manifestantes.

A partir da Chapa de Bissau registou-se grande numero de cidadãos se associaram a iniciativa da manifestação para exigir a demissão do Presidente da República, José Mário Vaz.

Quando os marchantes chegaram ao lado da sede de Sport Bissau e Benfica, entraram em confronto com as forças de segurança. O perímetro do Palácio da República estava cercado por militares.

Os manifestantes inconformados com as barreiras das forças de segurança atiraram águas em saco plástico contra a polícia que fazia um cordão para impedir a passagem.

Três agentes da polícia foram atingidos com pedra na cabeça. Depois do incêndio dos pneus e lançamento de pedras por parte dos manifestantes, elementos das forças de segurança reagiram de forma violenta contra os manifestantes através de gás lacrimogéneo e bastões.

A polícia começou a espancar violentamente os manifestantes e os seguiu até a zona do mercado de Bandim, registando-se feridos e várias pessoas detidas.

Segundo o jornal O Democrata, um cidadão ferido pela polícia, disse que foi surpreendido com espancamento da polícia, quando estava na rua Rui Djassi [sede de Sporting Clube da Guiné-Bissau], porque não fazia parte do grupo dos manifestantes.

“Não sei de nada, estava na outra rua, eles me viram a passar e me chamaram, então começaram logo a me bater”, contou o jovem que foi acertado com o bastão na cabeça pela polícia.

ANG/oDemocrata


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw