Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 19 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Ensino
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ensino público/ Greve de professores termina com acordo com Governo

2017-06-07

(ANG) - O Governo e os sindicatos dos professores chegaram a acordo, pondo fim à greve iniciada a 29 de maio, anunciou terça-feira fonte sindical.



Laureano Pereira, porta-voz dos dois sindicatos para as negociações, disse que a "batalha foi ganha" pelos professores que, ao fim de quase seis anos, conseguiram a aplicação do Estatuto de Carreira Docente ainda este ano letivo.

O acordo entre o Governo e os sindicatos, Sinaprof e Sindeprof, foi rubricado na segunda-feira.

“Conseguimos alcançar um entendimento. Vamos ter aquilo que é a nossa principal reivindicação, desde 2011, que é a aplicação dos Estatutos da Carreira Docente (ECD)”, sublinhou Laureano Pereira.

O sindicalista não especificou de concreto os ganhos que os professores passarão a ter com a aplicação do ECD, mas frisou que o Governo, mesmo salientando ser uma iniciativa onerosa para as Finanças Públicas, se comprometeu a pagar.

“Podemos dizer que os professores estão de parabéns porque conseguiram aquilo que para o qual lutaram. É uma realidade irreversível», realçou Laureano Pereira, adiantando que as dívidas aos professores de `todas as categorias´ serão pagas, segundo um compromisso do executivo.

O sistema do ensino público da Guiné-Bissau conta com professores com diferentes estatutos, nomeadamente os efetivos, contratados e do novo ingresso, isto é, aqueles cujos nomes ainda não constam dos registos no Tesouro Público.

Laureano Pereira afirmou que há um compromisso entre o Governo e os sindicatos para as dívidas em atraso começarem a ser pagas ainda este mês, e pediu aos professores para regressarem às aulas.

Uma fonte do Sindicato Nacional dos Professores (Sinaprof) disse à Lusa que se os movimentos de greves não cessarem o ano letivo `corre riscos de ser um fiasco´ uma vez que dos 180 dias de aulas previstos no calendário escolar apenas foram cumpridos cerca de 70.

ANG-A Bola


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw