Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 26 de Setembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Cidadãos conscientes e inconformados/ Presidência da República nega ter convocado um “encontro clandestino” com movimento

2017-06-09

(ANG) - A Presidência da República reagiu hoje contra as declarações feitas à imprensa recentemente pelo Presidente do Movimento Nacional de Cidadãos Conscientes e Inconformados segundo as quais o Presidente da República convocou ao referido movimento para uma reunião clandestina mas que o movimento recusou.



A reação da Presidencia foi feita através de um comunicado à imprensa assinado por Fernando Mendonça, Conselheiro e Porta-Voz do Presidente da República.

“Essa informação é falsa, caluniosa e visa apenas a obtenção de dividendos políticos, por via de uma campanha de um nível lamentavelmente baixo”, refere o documento.

No mesmo documento, a Presidência da República referiu que o Presidente José Mário Vaz é um homem de diálogo e que foi por isso que tentou sempre sentar à mesma mesa com diferentes partes para encontrar uma solução que possa pôr fim a crise política vigente no país.

“O presidente da República é um estadista e não intriguista, ele jamais convocará sessões clandestinas de negociações e nem usa militares como emissores, quando o assunto é político recorre aos canais apropriados”, lê-se no comunicado.

O comunicado de duas páginas ainda refere que o presidente José Mário Vaz convidou recentemente todos os cidadãos nacionais para apresentarem as propostas de saída de crise e que esse convite não foi exclusivo a ninguém ao mesmo tempo não excluiu ninguém.

“As manifestações da rua não aborrecem e muito menos perturbam o chefe do estado guineense: A única preocupação é que há indícios de que os manifestantes e os seus mandantes pretendem manchar as ruas de sangue para convencer a opinião pública internacional de que a crise tem dimensões incontornáveis”, diz o documento.

Na nota a presidência da república apela aos guineenses à priorizarem o país, tendo sublinhando que só de mãos dadas é que se pode promover a paz, reconciliação nacional, de modo a seguir o rumo ao desenvolvimento.

ANG/AALS/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw