Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 19 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Crise Política/ Deputado Mandinga adverte que” Mário Vaz pode ser destituído” se não cumprir decisão do Supremo Tribunal de Justiça

2015-09-15

(ANG) - O dirigente do Partido da Convergência Democrática (PCD), Vítor Mandinga, afirmou que o presidente guineense pode ser destituído "por força da lei" se não respeitar a decisão da justiça sobre a nomeação do Primeiro-ministro.



O antigo ministro das Finanças e ex-líder do PCD, o deputado Vítor Mandinga fez estas declarações segunda-feira à chegada à Bissau, de regresso de uma missão de contactos com dirigentes da CEDEAO, em Dacar ,no Senegal.

A crise política na Guiné-Bissau foi um dos temas da cimeira da CEDEAO realizada no último fim-de-semana em Dacar.

Vítor Mandinga disse que a cimeira de Dakar "foi clara" para o presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, sobre a necessidade de cumprir a decisão do Supremo Tribunal de Justiça do país que lhe ordena a devolução do poder ao PAIGC para que seja este partido a indicar o nome do futuro Primeiro-ministro.

Depois da decisão do Supremo Tribunal de Justiça "o PCD pensa que não há outra interpretação", disse Mandinga, salientando ser necessário o cumprimento da lei para que o país não volte a conhecer "outras saídas", como no passado.

"Até aqui, as diversas interpretações conduziram-nos à violência, a desacatos. Nós não queremos nenhuma intervenção dos militares", disse o deputado do PCD.

Mandinga fez questão de advertir que, " o Presidente que no seu exercício faça um crime contra a lei significa que terá que ser imediatamente destituído através de um processo penal".

Aconselha ao presidente José Mário Vaz a acatar a decisão do STJ que manda solicitar ao PAIGC que indique o nome do futuro Primeiro-ministro.

O Presidente guineense destituiu a 12 de Agosto o então Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, tendo nomeado Baciro Djá para o cargo, mas esta nomeação foi considerada inconstitucional pelo Supremo Tribunal de Justiça guineense, uma vez que desrespeitou a lei que prevê que seja o partido vencedor das eleições a indicar o nome do chefe do Governo.

ANG/AC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw