Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Caju/ ANAG satisfeita com presente campanha

2017-06-20

(ANG) – O Presidente da Associação Nacional dos Agricultores da Guine-Bissau (ANAG), considerou hoje de “muito positivo” a campanha de caju deste ano e justificou que os seus associados conseguiram vender seus produtos num bom preco.



Jaime Bolis Gomes que falava em exclusivo à ANG destacou que a concorrência, que se traduziu na procura intensa da castanha ditou o aumento dos preços. Foi, segundo ele, na base disso que o governo optou por fixar o preco mínimo por quilograma em 500 francos CFA.

“Estámos muito contentes porque o preço da castanha tem vindo a subir desde o inicio da campanha, ao contrário dos anos anteriores em que um quilograma de caju chegou mesmo a custar menos de 100 francos CFA”, explicou, tendo frisado que o caju está a ser comprado junto ao agricultor por mais de 1000 mil francos CFA por quilograma.

O Presidente da ANAG exortou os produtores a aproveitarem o momento actual e venderem os seus produtos, porque “certos condicionalismos”, que não identificou, poderão vir a contribuir para a baixa do preco que se pratica de momento.

Como forma de garantir a boa qualidade dos seus produtos, Jaime Bolis aconselha aos agricultores a construções de armazéns com ventilação e criação de cooperativas para que, no futuro, possam vender mais e no momento que bem entenderem, os seus produtos.

“A nossa associação já está a criar cooperativas apesar de não ter a sua independência financeira. A nossa intenção era comprar castanha para exportar por isso convidamos à todos a se unirem a volta da ANAG para juntos elaborarmos projectos, e procurar financiamento junto aos bancos “,frisou.

O líder dos agricultores lamentou a falta de apoio, tendo afirmado que apresentaram enumeras propostas de projectos de produção junto as instituições de crédito mais até hoje não obtiveram nada.

“Sem um crédito é muito difícil combater a fome e a pobreza”, disse tendo apelado aos governantes a apostarem na agricultura, especificamente na transformação dos produtos agrícolas.

ANG/MSC/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw