Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 16 de Julho de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


CEDEAO/ Faure Gnassingbé substitui Alpha Condé na mediação da crise guineense

2017-06-21

(ANG) - O Presidente do Togo, Faure Essozimna Gnassinbgé, foi convidado a mediar a crise política e institucional que há três anos assola a Guiné-Bissau, anunciou em Lomé o representante especial da Organização das Nações Unidas (ONU) na Guiné Bissau, ModiboTouré, noticiou terça-feira, o Jornal de Angola.



“Contamos com o Presidente Faure Gnassingbé para poder dar o seu apoio em termos de mediação à crise política e institucional neste país”, disse o diplomata no final de uma visita à capital togolesa.

Eleito presidente em exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) a 4 de Junho, o Chefe do Estado togolês substitui o antecessor, Alpha Condé, na difícil missão de intervir em diversas crises que abalam a sub-região oeste-africana.

Uma missão do Comité de Sanções das Nações Unidas esteve na semana passada em Bissau para saber da evolução política do país e obter informações sobre as sanções impostas depois do golpe militar de 2012 pelo Conselho de Segurança da organização.

Além de oficiais militares alvo de sanções internacionais, a delegação da ONU manteve encontros com o Chefe de Estado, o presidente do Parlamento, membros do Governo, dirigentes dos partidos com assento parlamentar e organizações da sociedade civil.

A missão da ONU efectuou também um encontro de trabalho com o chamado “P5”, o Fórum que junta os representantes no país do Secretário-Geral da ONU, da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), da União Africana, da CPLP e da União Europeia.

Em Maio, o Conselho de Segurança da ONU manifestou preocupação com a prolongada crise política e institucional na Guiné-Bissau e pediu ao presidente do país, José Mário Vaz, para nomear um novo primeiro-ministro, em cumprimento do Acordo de Conacri.

O Acordo de Conacri, patrocinado pela CEDEAO, prevê a formação de um Governo consensual integrado por todos os partidos representados no Parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do Chefe de Estado.

A ONU?pediu aos políticos guineenses para colocarem o interesse do povo em primeiro lugar e exigiu para “respeitarem o compromisso de trazer estabilidade” ao país com um “diálogo genuíno, inclusivamente sobre a revisão Constitucional”.

ANG/Jornal de Angola


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw