Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sábado, 18 de Agosto de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde pública/ “Mercado da droga continua a crescer com mais substâncias perigosas”, alerta ONU

2017-06-23

(ANG) – O mundo tem hoje mais tipos de droga, mais fáceis de obter e mais potentes, aumentando o risco para a saúde, apesar de ter estabilizado em 250 milhões o número de consumidores, 5 por cento da população mundial, segundo a ONU.



As conclusões estão contidas no Relatório Mundial sobre Drogas 2017, divulgado hoje pelas Nações Unidas, em Viena, que estima em 29,5 milhões o número de consumidores com transtornos graves devido ao consumo das diferentes substâncias, reflectindo, paralelamente, o “florescimento” do mercado das drogas em todo o mundo.

Segundo o relatório, elaborado pelo Gabinete das Nações Unidas contra a Droga e Crime (UNODC), apenas uma em cada seis pessoas que pede apoio para combater os transtornos recebe tratamento, questão que foi criticada por Angela Me, coordenadora do documento, ao apresentá-lo hoje em Viena.

“Aumentou o risco para a saúde devido à diversificação e à potência de novas substâncias”, sublinhou Angela Me, dando como exemplo o fentanilo, um novo analgésico 50 vezes mais potente que a heroína e que já provocou numerosos casos, ainda por quantificar, de “overdoses mortais” nos últimos anos nos Estados Unidos.

“O mercado das drogas e o número de substâncias continuam a crescer”, alertou a especialista do UNODC, realçando que a situação altera-se a tanta velocidade que se torna um desafio permanente dar-lhe resposta legal ao mesmo ritmo.

Outro exemplo de drogas mais potentes e cuja composição pode ser especialmente nociva e com risco, acrescentou, são as novas substâncias psicotrópicas que imitam drogas tradicionais de origem vegetal, como a canábis sintética.

Entre 2009 e 2016, a ONU contabilizou 739 destas substâncias, que aparecem e desaparecem com rapidez e cujos componentes químicos variam com muita frequência.

Segundo o relatório, calcula-se que em 2015 se registaram pelo menos 190 mil mortes no mundo devido ao consumo de droga, cálculo “muito conservador” se se considerar que, apenas nos Estados Unidos, morreram nesse mesmo ano 52.400 pessoas na sequência de overdoses.

O grupo de drogas mais letal é o de opioides, como a heroína e respectivos derivados sintéticos, que provocam, devido às overdoses, a maior parte das mortes.

O consumo destes opioides com seringas é “especialmente arriscado”, porque podem contrair-se doenças como a hepatite C e sida, lê-se no relatório.

O documento salienta que, em 2016, a produção mundial de ópio aumentou um terço em relação a 2015, devido ao “grande crescimento” de plantações no Afeganistão.

Quanto à cocaína, sublinha a ONUDC, registou-se um aumento da produção, tráfico e consumo em todo o mundo, tanto nas regiões com maior procura, Europa e América do Norte, como na Ásia, um novo mercado em crescimento.

“A produção mundial de cloridrato puro de cocaína alcançou 1.125 toneladas em 2015, o que representa um aumento generalizado de 25% em relação a 2013”, lê-se no relatório.

“É certo que a produção de cocaína tem aumentado, mas continua abaixo dos valores de há 10 anos. Se se tiver em conta o longo prazo, a tendência é positiva”, disse Angela Me. ANG/Lusa




Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw