Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 22 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Religião
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Fim do ramadão/ Fiéis muçulmanos apelam a paz

2017-06-27

(ANG) – Milhares de fiéis muçulmanos da capital Bissau, rezaram segunda-feira a frente da Câmara Municipal de Bissau por ocasião do final do ramadão, tendo pedido a paz e o entendimento entre os actores políticos do país.



Em declarações à imprensa momentos após a reza, o primeiro-ministro Úmaro Sissoco Embaló afirmou que os fiéis muçulmanos findaram o período do mês sagrado, tendo desejado aos guineenses uma maior solidariedade e tolerância mútua.

“Os guineenses devem entender uns aos outros e não é alguém que vem do céu é que nos vai fazer essa missão”, avisou.

Úmaro Sissoco Embaló desejou igualmente um bom ramadão aos jornalistas presentes no acto, tendo lhes pedido para pautarem como bons profissionais e serem menos sensacionistas.

Por sua vez, o ministro de Estado e do Interior Botche Candé sublinhou que não existe ninguém de fora capaz de unir os guineenses.

“Na minha qualidade do Comissário de Peregrinação devo dizer a todos que, no presente ano, se Deus quiser, e com base nas orientações do primeiro-ministro e do Presidente da República, a deslocação para a Meca será diferente dos anos anteriores”, disse.

Botche Candé exortou aos fiéis muçulmanos para unirem e saberem perdoar uns aos outros porque o país pertence à todos.

“Hoje em dia a vingança não tem lugar na Guiné-Bissau, e nós como autoridades temos a missão de fazer as pessoas entender uns aos outros e neste momento, em nome de Deus, estamos orgulhosos ao vermos milhares de fiéis muçulmanos aglomerados a volta do primeiro-ministro para a reza em prol da paz para o país”, vincou.

Para o ex-primeiro-ministro, Baciro Djá a reza do ramadão deve servir de reflexão e para que as pessoas saibam que a melhor forma de servir a Deus é amar o próximo.

“Pedimos a paz e o entendimento entre os guineenses. Devemos saber que a vida é uma passagem e cada qual deve deixar obras. Devemos ir para a política para servir o povo e não para enriquecer”, aconselhou.

O jejum do Ramadão é um dos cinco pilares da fé islâmica e é obrigatório para todos os seus seguidores. Trata-se de um tempo especial em que os muçulmanos se reúnem em oração e é considerado uma oportunidade especial para reviver, renovar e revigorar sua prática de fé.

ANG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw