Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 20 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ Políticos guineenses com diferentes reações a eventuais legislativas antecipadas

2017-06-29

(ANG) - A possibilidade de convocação de eleições legislativas antecipadas admitida, na segunda-feira, pelo Presidente guineense, mereceu terça-feira a reação de diferentes líderes políticos, com uns a manifestarem apoio e outros a afirmarem ser uma "manobra" de José Mário Vaz.



Num encontro, na segunda-feira, com líderes da comunidade muçulmana, o Presidente guineense anunciou que poderá ter de convocar eleições legislativas antecipadas caso não houver um entendimento entre os atores políticos dentro nos próximos 90 dias.

Em declarações hoje transmitidas pela rádio privada Bombolom FM, Tomé Vaz, secretário-geral do partido Resistência da Guiné-Bissau (RGB), considerou que caso persista o impasse político no país o Presidente "será obrigado a convocar eleições antecipadas".

Idrissa Djaló, líder do Partido da Unidade Nacional (PUN), afirmou que o Presidente "apenas quer ganhar mais tempo" para não aplicar o Acordo de Conacri e só marcar eleições "justamente no período regular previsto na lei", isto é em meados do próximo ano, disse.

"É mais uma manobra dilatória do Presidente para não respeitar o Acordo de Conacri", defendeu Idrissa Djaló, referindo-se a um acordo patrocinado pela Comunidade Económica de Estados da Africa Ocidental (CEDEAO) para acabar com o impasse político na Guiné-Bissau.

Paulo Semedo, presidente do Movimento Patriótico (MD), disse, por seu lado, que não entende porque é que o chefe de Estado "mesmo sabendo que dificilmente haverá consenso" entre os atores políticos sobre a governação do país "insiste em só tomar uma decisão" daqui a três meses sobre a convocação de eleições.

"Há muito que andamos a dizer, perante as circunstâncias, que o Presidente só tem que convocar novas eleições e devolver a palavra ao povo", enfatizou Paulo Semedo.

O líder do Movimento Democrático da Guiné (MDG), Silvestre Alves, afirmou que "com a situação atual" não são as eleições que vão resolver o problema do impasse político.

Silvestre Alves entende que o país devia promover reformas da lei eleitoral e da própria Constituição.

Os partidos RGB, PUN, MD e MDG, não têm representação no Parlamento.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw