Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 18 de Julho de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Espanha/ El País ridiculariza Portugal: assalto sem um tiro, sem um “alto”, sem um “ai”

2017-07-06

(ANG) - “A seguir à Islândia e Nova Zelândia não há país no mundo mais pacífico que Portugal”, lê-se num artigo do jornal espanhol El País.



Primeiro foram os incêndios, agora o assalto a Tancos: a imprensa espanhola voltou a “atacar” Portugal.

O artigo está escrito em tom irónico e todo ele “denuncia” a falta de ação militar, no assalto em Tancos que, de acordo com o jornal, foi feito por “mais de uma dúzia de assaltantes”. O jornal descreve o assalto como “pacífico“, “sem um tiro, sem um ‘alto’, sem um ‘ai'”.

“Chegaram com um camião, fizeram um buraco na vedação e foram às dezenas de paióis, mas só visitaram aquele que tinha o material de que precisavam e deixaram os outros. De certeza que em sua casa demorava mais a encontrar um iogurte no frigorífico“, ridiculariza o jornal.

“Levavam uma lista de compras, com a diferença de que tudo era grátis. Carregaram a braços as pesadas caixas, andando daqui para ali 500 metros e, quando acabaram o assalto, partiram como chegaram”.

A publicação denuncia ainda que a base de Tancos tem o sistema de videovigilância avariado “há cinco anos” e que a vedação podia ser cortada com uma tesoura. “As 25 guaridas para os vigilantes estão em péssimo estado, pelo que é melhor que nenhum soldado arrisque a sua vida ao ir para lá. Como consequência, não há ninguém lá”.

E há mais: o jornal escreve mesmo que os militares demoram meio dia a fazer uma ronda ao perímetro e que quando o fazem “vão rezando para que ninguém os ataque, porque só se podem defender à paulada“, já que as armas não estão carregadas.

Para rematar, o jornal comenta: “Depois de conhecer isto, se o índice Global de Paz não dá o primeiro lugar a Portugal em 2018 será uma injustiça“.

ANG/ZAP


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw