Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 22 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Justiça
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Justiça Militar/ Zamora Induta detido no Aquartelamento de Mansoa

2015-09-23

(ANG) - O ex-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Guiné-Bissau Jose Zamora Induta foi conduzido terça-feira para uma cela no quartel de Mansoa, no centro do país, disse à Lusa o advogado do contra-almirante, José Paulo Semedo.



De acordo com o advogado, Zamora Induta foi levado para a prisão do quartel de Mansoa por ordens do Tribunal Superior Militar mas sem que o próprio causídico tivesse sido notificado dos motivos.

“Confirmo que o contra-almirante foi levado para Mansoa e neste momento já se encontra numa cela naquela unidade militar”, disse à Lusa José Paulo Semedo, que se deslocou ao Tribunal para “perceber o que é que se passa”.

“Segundo a lei e na qualidade do advogado do contra-almirante eu devia ser informado e notificado de qualquer medida que lhe é imposto, mas nada disso aconteceu”, observou Paulo Semedo.

Para o advogado, Zamora Induta “esteve sequestrado” durante mais de um mês na sua própria residência, uma vez que “esteve sob restrição de movimentos” por ordens do Tribunal Militar que colocou três agentes à porta da sua casa.

“Agora sai de um sequestro e vai para prisão preventiva”, acrescentou José Paulo Semedo.

O contra-almirante voltou ao país, vindo de Lisboa, onde se encontrava a residir desde que fugiu da Guiné-Bissau, na sequência do golpe de Estado de abril de 2012.

O seu advogado disse que veio para a recolha de dados para uma tese de doutoramento que está a prepara.

Antes de regressar ao país, Induta, segundo o seu advogado, comunicou as autoridades políticas e militares dos seus intentos, mas acontece que dias depois foi chamado a depor no Tribunal Militar de Bissau num processo de alegada tentativa de golpe militar ocorrido em Outubro de 2012 em que é apontado como um dos líderes.

Das audições Zamora Induta viu-lhe “decretada prisão domiciliária” que o seu advogado considera de sequestro por não constar da lei guineense.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw