Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 23 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Comunicações
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Telecomunicações/ Governo lança consórcio para gerir

2017-07-19

(ANG) - O Governo da Guiné-Bissau lançou segunda-feira o consórcio que vai gerir o cabo submarino que vai trazer Internet de “melhor qualidade” ao país dentro de 18 meses, mas os trabalhadores da Guiné Telecom criticaram a iniciativa.



O consórcio designado Bissau Cabo, empresa que vai gerir o cabo submarino, é integrado pelas operadoras dos telemóveis móveis Orange (francesa) e MTN (sul-africana), com 51por cento, enquanto o Estado guineense detém os restantes 49 por cento.

Na assinatura do memorando que cria o consórcio, o ministro dos Transportes e Telecomunicações, Fidélis Forbs disse que o projeto “é estruturante e que vai ajudar ao desenvolvimento” do país.

A representante do Banco Mundial (BM) em Bissau, Kristina Svenson, considerou como “muito importante” o projeto da instalação do cabo submarino, que irá trazer “Internet de melhor qualidade, mais rápida e mais barata” à Guiné-Bissau, dentro de 18 meses, enfatizou.

Svenson destacou o facto de, durante o exercício do ano passado, entre o Banco Mundial e a Guiné-Bissau, o projeto do cabo submarino ter sido “metade do portfólio” da instituição na sua relação com o Governo guineense.

A responsável salientou que o BM desbloqueou 35 milhões de dólares (30,5 milhões de euros) para o projeto.

Os trabalhadores da Guiné Telecom criticaram a forma como o Governo partilhou o capital social da nova empresa.

David Mingo, presidente do sindicato dos trabalhadores da Guiné Telecom, disse ser “inaceitável e incompreensível” que o Estado guineense seja minoritário num consórcio por si criado para gerir uma infraestrutura tão importante como é o cabo submarino.

Aquele dirigente sindical antevê ainda o fim da Guiné Telecom, porque, enfatiza, serão duas empresas estrangeiras que vão gerir o cabo da fibra ótica do país o que, alerta, será “um desastre” para a própria Guiné-Bissau.

“Em todos os países do mundo a empresa do Estado, (neste caso a Guiné Telecom), é que gere toda a rede base do sistema de telecomunicações”, defendeu David Mingo.

A Guiné Telecom deixou de operar desde o início dos anos de 2000 devido a problemas de gestão da empresa.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw