Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 23 de Agosto de 2017
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


UNTG/Greve/ “Serviço mínimo evitou danos maiores no HNSM”,diz Director Clinico

2017-08-10

(ANG) - O Director Clinico do Hospital Nacional Simão afirmou hoje que os serviços mínimos evitaram maiores danos naquela instituição durante os três dias de greve decretada pela União Nacional dos Trabalhadores da Guine (UNTG).



Em declarações à imprensa, Alberto Indeque não especificou o número de óbitos ocorridos neste período, mas confirmou que houve falecimentos ligados à greve.

Disse que a sua instituição fez trabalho de base conversando com os técnicos do sector mostrando-lhes que era necessário observar os serviços mínimos, ou seja atender os doentes em estado crítico.

“Os técnicos colaboraram neste sentido, o que evitou maiores transtornos. Qualquer paralisação tem os seus custos, por exemplo os atendimentos aos pacientes podem demorar mais do que nos dias normais, porque esperam muitas horas para serem atendidas”, disse.

Alberto Indeque frisou que cada vez que se está perante situações de greve os próprios responsáveis que também são técnicos de saúde entram em acção dando apoios aos doentes para colmatar os seus sofrimentos.

O Director Clinico classificou al paralisação de a “mais especial” de todas as outras decretadas no pais, visto que o sindicato de base do HNSM aceitou colaborar com a Direccao e autorizou a presença de técnicos nos respectivos serviço, uma vez que está-se no período de chuvas, ocasião em que as doenças aumentam.

Alberto indeque apelou ao Governo para fazer o que estiver ao seu alcance para terminar com a greve para benefício de todos, frisando que ele, enquanto médico, não deve deixar um doente a sofrer, mas que não é o que acontece com todos os que prestam assistência no hospital.

A ANG constatou entretanto que a greve decretada pela maior central sindical da Guiné-Bissau não afectou à todas as instituições públicas do país.Por exemplo, o Ministério da justiça aderiu a paralisação, mas os Ministérios das Finanças, das Pescas e Comercio funcionaram normalmente.

A paralisação que termina hoje, iniciado no dia 08 do corrente, pode ser prolongada, caso o governo não chegar ao entendimento com a UNTG.

O porta-voz da comissão negocial da UNTG, Júlio Mendonça declarou hoje que vai ser entregue amanhã,sexta-feira um novo pré-aviso de greve para a observância de mais um periodo de greve na Função pública.

A UNTG reivindica o reajuste salarial dos servidores do estado, acordado com o governo em Dezembro do ano passado e que deveria começar a vigorar em Julho deste ano.

Entretanto o governo recomendou quarta-feira em Conselho de ministros aos ministros da Função Pública e das Finanças o controlo das faltas dos grevistas para efeitos de seu desconto nos vencimentos.

ANG/MSC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw