Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 17 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Desnutrição crónica/ Directora dos Serviços de Alimentação reconhece dificuldade em combater o flagelo

2017-08-11

(ANG) – A Directora dos Serviços de Alimentação, Nutrição e Sobrevivência da criança, do Ministério de Saúde afirmou esta sexta-feira que é difícil combater a desnutrição crónica no país porque a desnutrição começa desde a gravidez.



Ivone Menezes Moreira reagia assim, em declarações à ANG à afirmação feita pelo Programa Mundial Alimentar quinta-feira, segundo a qual 27 por cento da população guineense sofre de desnutrição crónica.

A Directora confirmou os dados estatísticos do PAM e disse que foram produzidos pelos serviços que dirige.

Ivone Moreira elogiou os trabalhos que estão sendo desenvolvidos pelo PAM, sublinhando ser “o único parceiro que se preocupa com a problemática de desnutrição no país”.

Acrescentou que quando apresentam a problemática da desnutrição aos parceiros estes dão mais importância a desnutrição aguda e moderada.

“Se uma grávida não se alimentar devidamente, fica desnutrida ou anémica e isso reflecte negativamente na criança, “exemplificou.

Referiu ainda que a desnutrição crónica tem consequências graves no crescimento de uma criança,e que diminui a capacidade cognitiva e aumenta o esquecimento até a velhice.

Ivone Moreira destacou que a sua direcção elaborou vários documentos normativos que orientam os técnicos de saúde, para sensibilização e orientação das mulheres durante a gravidez e pós-parto.

Lamentou que muitas das vezes as mulheres grávidas não recorrem aos centros de saúde para fazer as consultas e seguimento durante a gravidez.

Aquela responsável indicou que uma mulher grávida deve comer no mínimo quatro vezes por dia e com alimentação variada desde legumes, frutas peixe e carne, sumos naturais, e não deve fumar cigarro nem consumir bebidas alcoólicas ou gasosas.

Pede a todos para se evitar o uso excessivo de ingredientes como caldo de galinha (gustos) na comida e nas saladas porque são causadores de hipertensão arterial, aconselha o uso moderado de açúcar que também está a causar diabetes.

ANG/JD/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw