Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 25 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde Materno Infantil/ “Mais de 52 por cento das crianças guineenses são amamentadas exclusivamente”, diz Ivone Moreira

2017-08-24

(ANG) – Mais de cinquenta e dois por cento de recém-nascidos na Guiné-Bissau são amamentados exclusivamente nos primeiros seis meses de vida, afirmou quarta-feira a Directora do Serviço de Alimentação, Nutrição e Sobrevivência da Criança.



Em declarações à ANG por ocasião do mês de amamentação exclusiva que se assinala em Agosto , Ivone Menezes Moreira confirmou que este dado consta do inquérito do MICS 2014.

Ivone Moreia destacou que o mês de amamentação nacional é celebrado para sensibilizar e informar as mães sobre a importância do aleitamento materno para as crianças durante os primeiros seis meses de vida.

Esclareceu que para uma criança crescer saudável e inteligente, logo ao nascer deve ser amamentado imediatamente, isso ajuda a regular doenças de diabetes, hipertensão, de que eventualmente a mãe possa padecer, e evita também os riscos de cancro da mama e de colo de útero.

“Também constitui um método de planeamento familiar seguro, além de permitir o fortalecimento do sistema de crescimento do bebé“, disse moreira, tendo acrescentado ainda que dificilmente a criança adoece.

Aconselhou as mães para evitarem de dar de comer e beber aos seus bebés logo no primeiro semestre de vida, porque torna as crianças mais fracas em relação aos que foram bem amamentadas exclusivamente durante seis meses.

Esclareceu que o leito materno é rica e tem tudo que uma criança precisa desde água, vitaminas e outras proteínas.

“Se a mãe é funcionária pública ou privada deve, antes de ir trabalhar, espremer o peito e colocar o leite num biberão para dar a criança durante a sua ausência, “aconselhou.

Ivone Moreira disse que, mundialmente, as mães têm uma licença para amamentar durante seis meses ao contrário da Guiné-Bissau onde se dá três meses, apesar de ainda não estar oficializada pela Assembleia Nacional Popular.

Aquela responsável agradeceu a UNICEF pelo empenho e apoio que tem dado ao ministério da Saúde todos os anos através do programa de amamentação, desnutrição aguda e grave das mães e crianças na Guiné-Bissau.

ANG/JD/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw