Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 25 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Ambiente
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Reflorestação/ Governo pretende plantar mais de um milhão de árvores em todo o país

2017-08-28

(ANG) – O Governo guineense pretende plantar um milhão e meio de árvores florestais, frutíferas, ornamentais e de embelezamento em todo o território nacional até 2020.



Segundo o jornal Nô Pintcha, a intensão foi manifestada recentemente pelo Ministro do Estado e da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares, quando presidia a abertura da jornada Nacional de Repovoamento Florestal na aldeia de Conconto, secção de Mafanco, Leste do país.

Soares Sambú afirmou que a jornada de reflorestação deste ano constitui uma ocasião particular para consciencializar e sensibilizar a população sobre a necessidade de plantação de árvores, preservação e conservação da floresta no contexto da desertificação, degradação de terras e das ameaças climáticas na sub-região.

Admitiu que a desflorestação e degradação das florestas podem ser combatidas com a participação de todos e com envolvimento das comunidades locais, rurais, ONGs e associações, na base de uma cooperação, a todos os níveis, com vista a manter a fertilidade do solo.

Soares Sambú informou que a celebração da jornada demostra, a determinação do Chefe de Estado no quadro do plano estratégico e operacional para a preservação das florestas, que permite o desenvolvimento de uma agricultura inteligente e restabelecer a taxa da cobertura florestal na ordem de 6 a 20 por cento no horizonte 2030.

Reconheceu que as acções de luta contra a degradação das florestas não são suficientes, tendo em conta que o repovoamento é praticamente inexistente e eficaz devido á não aplicação no sector público e privado das obrigações compensatórias da exploração florestal.

“ Para cada 100 metros cúbicos de madeira cortada, o operador deve reflorestar quatro hectares, segundo determina a lei,” referiu.

Sambú disse que infelizmente a medida não está a ser aplicada por falta de meios adequados de controlo do serviço florestal, o que limita a acção dos guardas florestais.

Reconheceu ainda que os camponeses não são suficientemente apoiados no desenvolvimento comunitário participativo, no contexto da gestão do território das tabancas.

Segundo o governante, as principais razões da degradação da floresta são as plantações de cajú, a erosão, diminuição dos caudais dos rios e das chuvas, aumento da temperatura, variação climática, exploração excessiva das espécies mais apreciadas para fins comerciais, produção clandestina de carvão para consumo doméstico e exportação para países da sub-região e corte e queimada descontrolada das árvores.

ANG/JD/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw