Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 25 de Setembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Zimbabué/ Ministro sul-africano ataca “turismo de saúde” dos líderes africanos

2017-08-31

(ANG) – Um ministro sul-africano criticou os líderes africanos que procuram tratamento médico no exterior, condenando o “turismo de saúde” enquanto falava no Zimbabué num evento em que mais de 30 ministros de saúde de África se reuniram para discutir estratégias para enfrentar os problemas de saúde pública no continente.



O presidente do Zimbabué, Robert Mugabe, que frequentemente recebe tratamento em Singapura, deixou o encontro dos ministros da saúde durante a intervenção de Motsoaledi.

Em declarações ao jornal Herald, o porta-voz de Mugabe justificou que o médico do presidente “não é apenas zimbabuenses, ele é realmente preto – ele é muito, muito, muito preto”. Insistindo que o presidente Mugabe não estava a virar as costas à ajuda médica do país.

Também os líderes da Nigéria, Mohammadu Buhari, e o ex-presidente angolano, José Eduardo dos Santos, foram criticados por procurar tratamento médico no exterior este ano.

“Nós somos o único continente em que os seus líderes procuram serviços médicos fora do continente, fora do nosso território. Devemos ter vergonha por isso”, disse Motsoaledi acrescentando que “isso é chamado turismo de saúde. Devemos promover o nosso próprio”, defendeu.

O médico elogiado pelos sul-africanos por recorrer a hospital públicos em vez de clínica privada, exortou os governos a aumentar o financiamento para as instalações locais.

A lista de chefes de estado africanos que recentemente procuraram tratamento médico no exterior inclui o presidente Muhammadu Buhari, da Nigéria, José Eduardo dos Santos de Angola, Robert Mugabi de Zimbabué, Patrice Talon do Benin e o presidente argelino de 80 anos, Abdelaziz Bouterflika.

Enquanto Motsoaledi argumentava na sessão plenária, as suas observações foram recebidas com silêncio pelos outros estados membros representados.

O ministro sul-africano reconheceu que a sua posição é controversa, mas acrescentou que precisava de ser dito.

ANG/e-Global Notícias em Po


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw