Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 25 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Agricultura
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Solidariedade/ Presidente da República promete oferecer arroz aos agricultores da zona leste

2017-09-05

(ANG) – O Presidente de República prometeu no último fim-de-semana doar 350 toneladas de arroz aos agricultores da região de Bafatá cujas bolanhas foram inundadas, nomeadamente nas povoações de Famandinga e de Campossa.



Em declarações aos jornalistas no final da visita que o levou ainda as bolanhas de Nhoma arredores de Nhacra, de Uac, em Mansoa, no norte do país, de Campossa, Famandinga, Agro-Geba e Contuboel, ambas na zona leste da Guiné-Bissau, José Mário Vaz disse que deslocou para constatar in loco a situação das mesmas na época das chuvas.

Segundo indicações do chefe de Estado, os agricultores de Famandinga beneficiarão de 250 toneladas de arroz enquanto que os colegas de Campossa receberão 100toneladas para colmatarem as perdas.

O Chefe de Estado disse estar triste por ver que os camponeses das referidas localidades trabalham pouco, salientando que as bolanhas do país estão completamente abandonadas, tendo pedido as pessoas para voltarem a apostar na lavoura, “que é o futuro e a base da economia da Guiné-Bissau”.

José Mário Vaz lembrou que esta frase é do próprio fundador da nacionalidade guineense Amílcar Cabral, salientando que não está a inventar nada.

“Quando digo que estou triste é porque em 100 por cento de área cultivável, só lavramos 5 por cento, deixando 95 por cento completamente abandonadas. Por isso depois das chuvas vamos iniciar os trabalhos para o próximo ano agrícola”, prometeu.

José Mário Vaz apelou aos produtores de batata-doce a não precipitarem em vender as suas colheitas, porque, segundo ele, vão tudo fazer para encontrar um mercado onde possam vender os seus produtos à melhores preços, mas para isso pediu a união no seio dos camponeses e seguimento das orientações do Ministério da Agricultura.

“Prometo para o próximo ano, com ajuda do Programa Alimentar Mundial (PAM) e Fundo da ONU para Agricultura e Alimentação (FAO), lavrar mais 50 por cento das bolanhas nacionais e tenho a certeza que já iniciou a mudança da Guiné-Bissau”, disse.

No seu périplo às bolanhas de leste, para além do ministro da Agricultura, Nicolau dos Santos, José Mário Vaz esteve acompanhado do representante residente do PAM Kiyomi Kawaguchi, da FAO, Rasoarimanana Ariane e do Ministro de Estado e do Interior, Botche Candé.

ANG/MSC/ÂC/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw