Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 24 de Outubro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Economia/ “Crescimento economico acima da media da Guine-Bissau deve ser potenciado”, diz FMI

2017-10-03

(ANG) - O crescimento económico guineense tem estado acima do registado na África subsariana nos últimos três anos e deve ser potenciado, defendeu segunda-feira o chefe da missão do FMI(Fundo Monetário Internacional) para a Guiné-Bissau, Tobias Rasmussen.



Tobias Rasmussen falava na conferência “Guiné-Bissau Rumo ao Crescimento Sustentável”, organizada pelo FMI, no âmbito da quarta consulta daquela organização ao país.

“O crescimento económico na África subsariana teve um marcante declínio de 2015 e 2016. Compreendendo este crescimento, a Guiné-Bissau aparece em boa posição, porque nos últimos três anos o crescimento guineense esteve acima do registado no resto de Ãfrica”, afirmou.

Segundo o responsável, apesar de África subsaariana estar a ter uma “modesta recuperação”, espera-se para a região um crescimento económico de 03 a 04 por cento, que constasta com as previsões para Bissau, que apontam para um crescimento de 05por cento para este ano e 2018.

“Isto explica-se com a evolução, muito positiva, dos preços da castanha de caju que aumentou para níveis recorde”, tendo contribuído também uma “importante evolução na gestão da economia”.

Tobias Rasmussen considerou que também contribuíram para o crescimento econômico, o “investimento na melhoria do abastecimento electrico e infraestruturas e um maior controlo orçamental e de gestão da dívida”.

Defende que que aquele crescimento pode e deve ser “potenciado” através da estabilidade macroeconômica, por uma política orçamental prudente, a manutenção de um sistema bancário sólido e a continuação das reformas estruturais.

Para Tobias é também importante, para potencial o crescimento econômico, que seja promovido um ambiente de negócios com “regulamentação estável e transparente”, mas também que proteja as pessoas para que seja mais inclusivo.

O FMI termina esta terça-feira os trabalhos de sua sua quarta avaliação à Guiné-Bissau.

ANG/LUSA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw