Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 24 de Outubro de 2017
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saude pública/ Ministro de Saúde lamenta que a Guiné-Bissau esteja entre os países com maiores taxas de mortalidade materno-infantil

2017-10-05

(ANG) – O Ministro de Saúde revelou hoje que a Guiné-Bissau continua a figurar entre os países do mundo, onde morrem elevado número de crianças menores de cinco anos e de mulheres grávidas no momento de parto.



Carlitos Barai falava na cerimónia de apresentação aos parceiros do Programa Integrado para a Redução da Mortalidade Materno-Infantil (PIMI), renovado para quatro anos.

Barai disse que o problema de saúde guineense contínua dependente dos financiamentos de diversas Agencias de desenvolvimento multilaterais e bilaterais presentes no pais e activas no sector de saúde.

Acrescentou que, de acordo com os dados apresentados no mais recente inquérito aos Indicadores Múltiplos relativamente ao ano 2014, a taxa de mortalidade de crianças com menos de “Um” ano de idade é de 55 mortes por cada 1000 nascimentos.

Relativamente a mortalidade materna, aquele responsável afirmou que persistem indicadores bastante preocupantes.

“Tendo em conta os dados estatísticos existentes torna-se claro que a Guiné-Bissau tem de melhorar substancialmente os seus indicadores de Saúde materno-infantil, de modo a conseguir alcançar as metas estabelecidas pelos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, de reduzir até 2030 a taxa de mortalidade materna global para 70 mortes por cada 100.000”, alertou o Ministro.

Por seu turno, o Embaixador da União Europeia (E U) Victor Madeira dos Santos destacou que no âmbito da continuação do apoio da E.U. ao Programa Integrado para a Redução da Mortalidade materno-infantil (PIMI 2), iniciado em Junho de 2013 e com duração inicial de três anos, o referido programa pretende diminuir a mortalidade das crianças de “Cinco” anos de idade juntamente com as mulheres grávidas através de consultas, medicacao e outros actos medicos gratuitos.

Referiu que inicialmente, o programa foi implementado nas regiões do Biombo, Cacheu, Oio, Farim e Gabú mas que a partir de 2015 passou a abranger as restantes regiões do país.

“A favorável avaliação externa do programa, feita em 2016, recomendou a sua continuidade e cobertura nacional para os próximos quatro anos (2017-2021). O custo total da segunda fase é de 22.7milhões de Euros montante correspondente a mais de 14 bilhões de FCA, sendo 88 por cento financiado pela (U E) e os restantes 12 por cento pelos parceiros”, revelou Madeira dos Santos.

Segundo disse, mais de 600 mil pessoas beneficiarão do programa, entre os quais crianças menores de cinco anos e mulheres grávidas.

“O programa na só intervém nas 133 estruturas de saúde distribuídas pelas nove regiões do pais, como também a nível comunitário, por meio da formação e apoio aos Agentes de Saúde Comunitária”, afirmou Dos Santos.

Em representação do Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF), Christine Jaulmes reforçou que o programa irá assegurar um melhor acesso à cuidados de saúde à mulheres grávidas e dar seguimento das mesmas até 45 dias após o parto.

Jaulmes assegurou que as crianças menores de cinco anos terão a mesma oportunidade através da disponibilização de medicamentos, e consumíveis médicos essenciais e equipamentos clínicos.

ANG/LLA/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw