Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 24 de Outubro de 2017
Todas as categorias
Cedeao
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


CEDEAO/Níger/ Abertura do Fórum das primeiras damas dedicado a proteção da mulher e criança

2017-10-06

(ANG) - O fórum das Primeiras-damas da CEDEAO foi aberto quinta-feira no Palácio dos Congressos de Niamey, no Níger, sob a presidência do chefe de estado togolês, Faure Gnassingbé, na qualidade de presidente em exercício da Conferência de Chefes de Estados da organização.



A volta do tema “A resposta das Primeiras Damas da CEDEAO para a erradicação da fistula obstétrica e suas implicações na proteção das mulheres e crianças na África ocidental”, o encontro registou a participação das primeiras damas do Níger, Burquina Faso, da Costa do Marfim, Gana, da Gâmbia, Mali ,Mauritânia e do Senegal.

As primeiras damas de Bénin, Guiné-Conacry, Nigéria e Serra Leoa fizeram-se representar por outras individualidades.

Organizado em parceria com a Comissão da CEDEAO, a República do Níger e a Fundação “Tattali Iyali,” da primeira-dama do Níger, Malika Issoufou, o encontro traça como objetivo geral, o reforço do engajamento político das primeiras damas de países membros da CEDEAO a volta das soluções operacionais a adoptar nos 15 países membros relativamente a proteção da mulher e criança.

Outros temas prioritários a serem debatidos se relacionam, entre outros, a resposta das primeiras damas à irradicação da fístula obstetrícia na África Ocidental, o quadro estratégico da CEDEAO para o reforço do sistema de proteção da infância, prevenção da violência, abusos, exploração, luta contra mutilação genital feminina e o impacto da violência contra as mulheres e jovens na África Ocidental.

Para o presidente Faure Gnassingbé, essas questões são cruciais e vitais para as nossas sociedades, e os temas cruzam com os caminhos de desenvolvimento para os países de África Ocidental.

“Enquanto subsistirem as disparidades entre o gênero os objetivos da integração da sub-região não serão jamais atingidos”, salientou Gnassingbé.

ANG/FAAPA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw