Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 19 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ensino Público/ Presidente do SINDEPROF reclama melhoria salarial e de condicoes de trabalho

2015-10-12

(ANG) - O Presidente do Sindicato Democrático dos Professores (SINDEPROF) disse hoje que os professores não podem continuar a receber "magros salários" e a terem uma vida "altamente miserável" e associada a insuficiencia de salas de aulas.



Laureano Pereira da Costa que usava de palavra no ato de encerramento do ano lectivo findo e abertura do Ano Lectivo 2015/2016 das escolas públicas, disse que os tempos que agora se vivem são particularmente difíceis e colocam o país e parceiros de governo, professores, pais e encarregados de educação e os sindicatos numa encruzilhada.

“É imperativo promover medidas inovadoras para reduzir os efeitos negativos e determinar acções que visem diminuir o número de analfabetos, melhorar a qualidade e a eficácia do sistema educativo, de maneira a garantir resultados escolares melhorados e uma preparação para o emprego. Mas isso, só é possível, se ao Ministério da Educação fora afectado 25 por cento do Orçamento Geral de Estado”, considerou o presidente do SINDEPROF.

Por sua vez, o representante da Confederação Nacional dos Estudantes da Guiné-Bissau (CONAEGUIB) Mutaro da Silva, disse que o início do Ano Lectivo 2015/2016 constitui grande preocupação para esta organização estudantil.

Mutaro Silva lembrou que existem escolas públicas sem carteiras e outras cujas coberturas foram destruídas pelas intemperies.

O representante da CONAEGUIB exortou ao governo para que o ano lectivo que hoje iniciou não seja para ”o Ingles ver” , porque até ao momento decorrem as matrículas nos diferentes estabelecimentos de ensino público.

O representante dos pais e encarregados da educação, Armando Correia Landim, aconselhou aos educadores a se matricularem os seus filhos, “porque são como que bancos de investimento, que no futuro hao-de render lucros”.

A concluir, o Director Regional da Educação para o Sector Autónomo de Bissau, Causso Mané considerou o ano lectivo transacto de melhor comparativamente aos últimos dez anos,” porque ao longo do ano não houve sobressaltos”.

ANG/JD/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw