Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 17 de Dezembro de 2017
Todas as categorias
Destaques
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ensino público/ Ministro considera “uma obrigação” melhoria das condições de trabalho dos professores

2017-10-12

(ANG) – O ministro da Educação Nacional e do Ensino Superior disse hoje que é uma obrigação de todos , a melhoria das condições de trabalho dos professores guineenses, como elementos preponderantes na comunidade e agente activa no desenvolvimento social.



Sandji Fati discursava no acto do fecho do ano lectivo 2016/17 e a abertura do novo ano lectivo 2017/18, cujo o lema é “Juntos para um Sistema educativo Estável”, disse que o acto é de muita importância, não só pelo Governo, mas para todos os envolvidos no processo, nomeadamente os pais e encarregados de educação, os parceiros, sindicatos e os próprios professores.

“Essa cerimónia vai servir de reflexão sobre o que se fez no ano transacto e perspectivar o que vai iniciar ou seja, fazer um modelo que seja capaz e eficiente para termos um ensino de qualidade “,disse.

O governante reconheceu o papel do professor como elemento preponderante na comunidade e agente activa no desenvolvimento social, salientando que as melhorias das condições dos docentes guineenses impõem-se, acrescentando que a melhoria de condições dos docentes não é um favor por parte do executivo mas sim uma obrigação.

O ministro da Educação Nacional e do Ensino Superior disse que o actual Governo não tem actualmente nenhuma divida para com os professores.

“Pelo contrário, o nosso Governo está a pagar as dívidas atrasadas herdadas e no momento está-se a discutir a avaliação dos Estatutos da Carreira Docente nas regiões”, explicou, lembrando que o sistema de ensino enfrenta um conjunto de problemas ou seja o Estado forma os professores e esses docentes são postos no sistema e quanto efectivam simplesmente mudam para outros ministérios, o que não pode continuar.

Sandji Fati questionou o porquê de não dar ao professor o salário igual aos funcionários de outros ministérios para os assegurar no regime, fazendo o que mais gostam que é dar aulas, e possibilitar a estabilização do sistema educativo guineense.

“Essa reflexão cabe à nós todos sem excepção . Mas só será possível encontramos soluções se o sistema estiver estável. Se isso acontecer nos países como Ghana e Nigéria nós também temos de encontrar soluções para estabilizar e dar um salário que faça com que o professor se mantenha a leccionar “,disse.

Por seu turno, o representante da Associação dos Pais e Encarregados de Educação, Duarte Nuno Dabó pede ao governo para que, através do Ministério da Educação tenha um acordo duradouro e sólido com os professores que garanta o cumprimento a 100 por cento do cumprimento dos dias lectivos, estabelecido pelo calendário escolar.

Para Fernando Mendes, em representação dos dois sindicatos do sector educativo, nomeadamente o Sinaprof e e Sindeprof, o encerramento e abertura do ano lectivo são momentos de exercício da cidadania activa e responsavelmente nobre, por isso devia ser de reflexão e de análises profundas sobre as prestações nacionais no sector do ensino.

“ E os sindicatos enquanto parceiros do governo na implementação do sistema educativa estável, manterão vigilantes em defesa de seus interesses, a nobre causa da luta para o bem da estabilização não só do sistema do ensino, mas de toda a sociedade em geral, porque uma sociedade livre e desenvolvida é aquela que é culta cientificamente”, referiu.

Na cerimónia também foi lançada a Campanha 6-6 que incentiva a entrada das crianças na escola com seis anos e lá ficar até pelos menos concluir o sexto ano da escolaridade ,e contou com as presenças dos técnicos do Ministério da Educação, parceiros casos da UNICEF , Plan Internacional entre outros.

ANG/MSC/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw