Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 18 de Setembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Banco Mundial “Facilitar a migração melhorará a economia da ASEAN”, diz Banco Mundial

2017-10-13

(ANG) - Facilitar a migração melhoraria a economia da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e a protecção dos trabalhadores migrantes na região, defendeu hoje o Banco Mundial num relatório intitulado “Migrando rumo à oportunidade”.



“Em geral, os procedimentos de migração na ASEAN permanecem restritivos”, indicou em comunicado o Banco Mundial, elencando como barreiras os “processos de recrutamento longos e dispendiosos” e as “restritivas quotas no número de trabalhadores estrangeiros permitidos” em cada país.

Além disso, segundo a instituição mundial, as “rígidas políticas de emprego” restringem as opções e a protecção social dos trabalhadores imigrantes.

No relatório, o Banco Mundial refere, por exemplo, que o aumento de 10 por cento dos trabalhadores de baixa qualificação elevaria o Produto Interno Bruto (PIB) da Malásia em 1,1por cento.

A economia da Tailândia, por seu turno, cairia 0,75por cento sem imigrantes no seu mercado laboral.

A maioria dos mais de 6,5 milhões de trabalhadores migrantes na ASEAN, na sua maioria pouco qualificados e, por vezes, indocumentados, trabalha no setor da construção, nas plantações ou como empregados domésticos.

No mesmo documento, o Banco Mundial reconhece os passos dados pela Comunidade Económica da ASEAN para facilitar a mobilidade, mas observa que a regulação se cinge a profissionais qualificados – incluindo médicos ou engenheiros –, que apenas representam 5% do mercado de trabalho do bloco regional.

“Com a escolha adequada de políticas, os países de origem podem aumentar os seus benefícios económicos enquanto protegem os direitos dos seus cidadãos que decidem emigrar para trabalhar”, afirmou Sudhir Shetty, economista-chefe para a Ásia Oriental e Pacífico do Banco Mundial.

Sudhir Shetty sustenta, por outro lado, que os países de acolhimento podem ocupar os postos de trabalho vagos e elevar o seu PIB com políticas adequadas.

“Políticas desadequadas e instituições ineficazes significam que a região está a perder oportunidades com a imigração”, apontou.

O relatório propõe, entre outras medidas, a simplificação do processo de emigração em países como Laos, Camboja ou Birmânia, assim como a regulação dos trabalhadores imigrantes irregulares na Tailândia.

Malásia, Singapura e Tailândia contam com 6,5 milhões de trabalhadores imigrantes, o equivalente a 96% da ASEAN, de acordo com o Banco Mundial.

Em 2015, os imigrantes da região enviaram remessas para os seus países de origem avaliadas em 62.000 milhões de dólares (52,6 milhões de euros).

Olhando em termos de países, as remessas representaram 10 por cento do PIB das Filipinas, 7por cento do do Vietname, 5por cento do da Birmânia e 3 por cento do do Camboja.

ANG/Inforpress/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw