Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sábado, 25 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Ensino
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ensino público/ Professores “Novos Ingressos” cancelam vigília no Ministério da Educação

2017-10-17

(ANG) – O Colectivo dos Professores Públicos “Novos Ingressos” cancelou a vigília prevista para hoje em frente do Ministério da Educação, a pedido do Ministro do Interior, Botche Candé.



Em declarações à imprensa, depois do encontro com o representante do Ministro do Interior, o Coordenador do Colectivo destes docentes, Hélder Ié, afirmou que receberam a promessa, de que Botche Candé irá “usar a sua influência”, junto das entidades competentes, com vista ao pagamento dos seus salários em atraso.

“Mas, vamos continuar a nossa luta até que o governo nos pague o dinheiro, porque estamos a reivindicar uma causa justa”, advertiu para criticar a alegada discriminação de que foram alvo: “de outras categorias dos professores receberem e nós não”.

Por isso, o docente apela a “união e determinação” da classe até a resolução dos seus problemas, ou seja, o “pagamento de quatro meses de salário em atraso relativos aos anos lectivos 2011/2012 (três) e 2012/2013 (um) ”.

Para além de criticar as supostas faltas de zelo do Ministério da Educação e dos sindicatos SINAPROF e SINDEPROF, em prol do pagamento da “dívida” em causa, Hélder Ié admite a possibilidade de o Colectivo vir a transformar-se num sindicato.

De acordo com o representante do Colectivo dos Professores “Novos Ingressos” estão nesta situação de “atraso salarial” 675 docentes.

Apesar da não realizaram da referida vigília, hoje, em frente ao Ministério da Educação, estiveram presentes, não só os “Novos Ingressos”, mas também, os que viram seus salários bloqueados, que o Governo justifica com a “reforma em curso na Função Pública”.

A reportagem da ANG tentou falar com os responsáveis do Ministério da Educação, mas um membro do Gabinete do Ministro Sandji Fati informou que este viajou e até aquela altura, a tutela não tinha recebido nenhuma carta destes professores em reivindicação.

ANG/QC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw