Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 16 de Julho de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ “Carlos Gomes Júnior e Iancuba Injai regressam brevemente ao país”, garante Coordenador do Movimento Nacional Cívico

2017-11-02

(ANG) – O Coordenador do Movimento Nacional Cívico “ Nô Djunta Mon pa Fidjus di Tchon riba Cassa” garantiu terça-feira que o ex. Primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior e Iancuba Jola Injai, presidente do Partido de Solidariedade e Trabalho, vão regressar brevemente ao país depois de cinco anos no exílio em Portugal.



Fenando Gomes que falava em conferência de imprensa afirmou que Carlos Gomes Júnior e Iancuba Djola Ndjai terão todas as garantias de segurança, para reintegrarem na sociedade, acrescentando que o chefe do executivo Umaro Sissoco Embaló já lhes deu “luz verde” neste sentido.

Disse que o referido projecto de regresso dos exilados ao país durou cerca de um ano com a criação do Movimento Cívico, tendo agradecido o apoio da comunicação social, dado através da sensibilização dos cidadãos, líderes religiosos, entidades políticas e pessoas particulares, e que obteve o resultado almejado por todos.

O Coordenador do Movimento explicou que não foi fácil realizar esta tarefa, por que havia muita desconfiança, medo, desafios, riscos e dificuldades por parte dos familiares e amigos dos exilados e dos membros do movimento.

Fernando Gomes disse que recebeu uma carta na qual Iancuba Injai declarou total perdão à todos que tomaram parte no seu espancamento e na tentativa do seu assassinato e pediu desculpas aos que foram lesados durante a sua actividade cívica e política, “porque a sua intensão era de defesa do interesse geral e não de causar males a ninguém”.

“Ser exilado é um sofrimento frustrante, onde você tem desejo de querer voltar para seu país e não pode. Eu mesmo vivi e senti isso na pele”, disse o Coordenador.

Fernando Gomes lamentou o facto de o Movimento não ter sido recebido por algumas identidades política e religiosa durante os contactos mantidos, acrescentando que ninguém manifestou contra o regresso dos dois exilados.

ANG/JD/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw