Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 18 de Julho de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Crimes contra jornalista/ Secretário Geral das Nações Unidas alerta sobre perigo do fenómeno para sociedade

2017-11-03

(ANG) – O Secretário Geral das Nações Unidas afirma que “quando os jornalistas são atacados, as sociedades como um todo também pagam o preço”.



António Guterres fez esta comunicação, por ocasião da comemoração, quinta-feira, do Dia Internacional pelo Fim da Impunidade por Crimes Contra Jornalistas.

“O tipo de notícias que se silenciam - corrupção, conflitos de interesse, tráfico ilegal - é exactamente o tipo de informação que o público precisa saber”, fundamentou.

Por isso, declara Guterres, a Assembleia Geral , o Conselho de Segurança e o Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas condenam os ataques contra jornalistas e pedem a garantia das suas seguranças.

E, como medida, disse que o sistema das Nações Unidas “também aprovou um Plano de Acção sobre a Segurança dos Jornalistas e a questão da Impunidade”.

“Estamos empenhados em ajudar a criar o ambiente que os jornalistas precisam para realizar o seu trabalho vital. Estou a mobilizar uma rede de pontos focais de todo o sistema das Nações Unidas para propor passos específicos para intensificar os nossos esforços de forma a aumentar a segurança dos jornalistas e dos trabalhadores dos média”, acrescentou.

Ao falar em número, António Guterres lembrou que “de 2006 a 2016, 930 jornalistas e trabalhadores dos “média” foram mortos. Milhares de outros enfrentam frequentemente assédio sexual, intimidação, detenção e maus-tratos”.

No Dia Internacional para Acabar com a Impunidade por Crimes Contra Jornalistas, o Secretário Geral das Nações Unidas pediu “justiça - em memória de todos os jornalistas que foram mortos e em reconhecimento da importância da imprensa livre e independente e do seu contributo para o desenvolvimento e a paz”.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, só em 2016, 102 jornalistas morreram no exercício das suas funções, a nível planetário.

Dois de Novembro foi instituído em Dezembro 2013, pela UNESCO, como o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade de Crimes Contra Jornalistas, visando criar um ambiente seguro para o trabalho dos profissionais da comunicação social no mundo.

ANG/QC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw