Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sábado, 25 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Sociedade
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Energia eléctrica/ EAGB vai dispor de mais de 22 megas em Bissau dentro de seis meses, diz director-geral

2017-11-03

(ANG) – O Director-geral da Empresa de Electricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB) afirmou recentemente que dentro de seis meses a capital Bissau passa a dispor de mais de 22 megas de energia Eléctrica.



Segundo o Jornal Nô Pintcha, René de Barros disse que as autoridades nacionais estão a trabalhar para que o país tenha sua própria estrutura de produção.

Aquele responsável informou que o grupo gerador que fornece energia a cidade de Bissau tem actualmente uma potência de 15 mega watts, e que a procura é superior que a oferta, e são necessarias 40 megas para cobrir o consumo de 24 horas da capital.

René de Barros disse que a estrutura de produção própria da empresa EAGB se encontra em execução e estima-se num valor de 100 milhões de dólares americano.

Anunciou que a construção da nova central eléctrica à fuel na zona de Bôr, arredores da capital, terá inicio neste mês com capacidade de 15 mega watts, bem como o lançamento de concurso para aquisição de 22 megas.

O director-geral da EAGB referiu que no âmbito da Organização para o Aproveitamento da Bacia do Rio Gâmbia(OMVG), o país vai beneficiar de electrificação em 14 localidades no interior, com respectivos contadores pré-pagos, nomeadamente Bafatá, Gabú, Buba, Quebo, Saltinho, Braima Sori, Djabicumda, Contuboel, Bambadinca, Mansôa, Tantan Cossé, Mansaba, Bissorã e Mafanco.

René de Barros informou que o projecto financiado pela Banco Oeste Africano de Desenvolvimento(BOAD), a Guiné-Bissau vai construir dois postos de transporte de energia.

“Aquela instituição africana apoia também a construção da central eléctrica fotovoltaica de 20 megas na zona de Ponta Gardete, ”informou.

Segundo ele, dentro de dois anos o país verá resolvido o problema da energia que dificulta o seu desenvolvimento , impossibilitando o crescimento económico e o investimento de empresários nacionais e estrangeiros.

Reconheceu que a empresa EAGB funciona com muitas dificuldades, tendo em conta a tarifa praticada que não consegue cobrir as despesas. Advertiu que a empresa deve ser subvencionada pelo Estado, o que não está a acontecer.

René de Barros disse que a sua instituição tinha cerca de 23 mil clientes que agora aumentou para 60 mil e a empresa dispõe apenas de 15 megas para vender.

A EAGB, segundo René de Barros conta actualmente com 420 funcionários e necessita de 600 milhões de francos para cobrir as despesas da tesouraria.

ANG/JD/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw