Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 18 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ Ministro do Comércio acusa professores de não perceberem nada de física, matemática e português

2017-11-07

(ANG) – O Ministro do Comércio disse domingo que a maior parte dos professores nacionais não percebe nada sobre a matemática, física, química e português.



Victor mandinga que falava aos populares do secção de Bafatá Oio, zona norte do país, disse que os docentes são “incompetentes” e como é que terão bons alunos com 5 meses de aulas ao invés de 10 que é o normal em qualquer parte do mundo.

Referiu ainda que o actual executivo disponibilizou ao ministério da educação três mil milhões para pagamento dos salários em atraso aos professores do ensino público.

Victor Mandinga disse também aos populares de secção de Mansodé que fez uma proposta ao conselho de ministro para cessar as negociações com os sindicatos do sector ensino, mas que foi chumbado.

Este governante sugeriu a contratação de docentes em outros países de língua portuguesa para virem dar aulas na Guiné-Bissau.

Aquele dirigente acusou o partido libertador de estar por detrás dos sindicatos dos professores estingando-lhes a fazerem greves.

Referindo-se a campanha de caju 2017, Victor Mandinga afirmou que rendeu pela primeira vez ao cofre de estado o valor de cerca e de 20 mil milhões de francos cfa, e que 15 mil pessoas tiveram emprego durante a referida campanha.

“ Foi o PAIGC quem escolheu José Mário Vaz para o cargo do Chefe de Estado, mas este recusou colaborar com a corrupção, agora quem não presta é o JOMAV, ”, disse.

Mandinga disse que a Assembleia Nacional Popular está bloqueado pelo PAIGC, vencedor das legislativas e que cabe ao Parlamento escolher o presidente da Comissão Nacional das Eleições (CNE), mas como aquela instituição não funciona, pode também não houver as próximas eleições em 2018.

Victor mandinga fez estas criticas no ambito de uma visita aquelas localidades do interior da Guiné-Bissau.

ANG/JD/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw