Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 18 de Julho de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


CEDEAO/ Alpha Condé lamenta não ter anunciado em Conacri o nome do primeiro ministro acordado

2017-11-17

(ANG) - Alpha Condé, presidente em exercício da União Africana, admitiu quinta-feira em Paris falhas na gestão da mediação da CEDEAO e da organização pan-africana, incapaz de pôr cobro ao impasse em Bissau .



Em declarações a Olivier Rogez, Alpha Condé lamentou não ter anunciado em Conacri o nome do primeiro-ministro que fora acordado para a Guiné-Bissau.

Condé alegou não o ter feito para respeitar a soberania do vizinho guineense e para preservar o seu homólogo, José Mário Vaz que alega não estar a cumprir um Acordo com o qual todas as partes guineenses concordavam.

Alpha Condé é também o chefe de Estado da Guiné Conacri, um país que está em foco em Paris até esta sexta-feira com um evento sobre o financiamento do plano de desenvolvimento.

"A constituição da Guiné-Bissau é como a constituição portuguesa. O presidente não tem poderes, é um pouco como a rainha de Inglaterra ou o presidente alemão. E isto quando ele é eleito por sufrágio universal, o que já é uma contradição.

A CEDEAO falhou a oportunidade: devíamos durante a transição ter ajudado os nossos amigos da Guiné-Bissau a modificar a constituição.

Mas há acordos que foram assinados: é o partido maioritário guineense que designa o primeiro-ministro... No caso o PAIGC. Convencemo-los a prescindir deste direito e que o presidente apresentasse nomes.

Trata-se de aplicar os Acordos de Conacri que não foram aplicados pelo actual presidente da república. Ou seja é preciso voltar a este Acordo que foi aceite por todos. Admito que haja uma parte minha de culpa: para respeitar a soberania da Guiné-Bissau não quis anunciar o nome do primeiro-ministro em Conacri.

Deixei essa tarefa para o presidente. Enganei-me ao fazer isso. Se toda a gente lá se encontrava, mais valia ter anunciado o nome do primeiro-ministro.

Tanto mais que toda a gente estava de acordo com isso. Pequei por falta de vigilância, mas fi-lo por respeito para com o presidente Vaz que ainda assim é o presidente da Guiné-Bissau.

A solução passa por um regresso ao Acordo de Conacri porque este é a sequência dos acordos anteriores de Bissau, Conacri só o veio confirmar. Ou seja a solução passa por um regresso ao Acordo de Conacri."

ANG/RFI


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw