Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 15 de Julho de 2018
Todas as categorias
Ensino
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ensino público/ Aulas continuam a funcionar à meio gás, devido a fraca presença de alunos e professores

2017-11-29

(ANG) – Apesar dos dois Sindicatos do sector da educação terem suspendido a greve, as aulas nas escolas públicas continuam a funcionar a meio gás, devido a fraca presença de alunos e dos professores, nos três liceus de Bissau.



Segundo o que constatou hoje o repórter da ANG, junto dos Liceu Nacional Kwame N´krumah, Agostinho Neto e Rui Barcelos da Cunha verifica -se fraca presença dos estudantes e dos docentes nas salas de aulas.

O Presidente da Associação de Alunos do Liceu Agostinho Neto e de Rui Barcelos da Cunha partilharam a mesma opinião, pedindo a presença massiva dos seus colegas e dos professores nas escolas para garantir o normal funcionamento das aulas.

Bruno António Brandão exortou igualmente ao governo no sentido de cumprir o acordo alcançado com os dois sindicatos no prazo estipulado para evitar uma nova paralisação no sector educativo.

Irineulda Eunice Gomes apesar de reconhecer a impossibilidade de recuperar o tempo perdido, solicita aos pais e encarregados da educação a mandarem os seus educandos para as escolas para se aproveitar no máximo os dias letivos restantes.

Exortou ainda os alunos a permanecerem nas salas de aulas para facilitar o trabalho dos professores e de outros alunos presentes, porque nem todos os docentes aceitam lecionar com número pequeno dos alunos.

Por sua vez, o docente da disciplina de física, do Liceu Rui Barcelos da Cunha, Augusto Na Salo justifica a ausência dos colegas com desconhecimento dos motivos que levaram a suspensão da greve.

Disse que os professores estão desmotivados devido aos incumprimentos do governo. Por sua vez, o professor de química do Liceu Nacional Kwame N´krumah Clusse Thami relaciona a ausência dos colegas com o incumprimento da promessa por parte do executivo, que devia iniciar o pagamento de salários na segunda-feira, o que não aconteceu até ao momento.

A maioria dos professores continua espera do pagamento dos seus salários de novembro para retomarem os seus trabalhos.

ANG/LPG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw