Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 22 de Julho de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Em prol dos carenciados/ Proprietário da Farmácia “Moçambique” defende redução de preços de medicamentos

2017-12-09

(ANG) – O proprietário da farmácia “Moçambique” defendeu a redução de preços de venda de medicamentos em prol dos mais carenciados e tendo em conta o agravamento do poder de compra no país.



Em entrevista exclusiva à ANG, Ahmed Akhdar aconselhou aos proprietários das farmácias velarem pela qualidade dos fármacos e a redobrarem esforços para melhorar o atendimento aos clientes.

“Actualmente na Guiné-Bissau o poder de compra é muito fraco. É muito dispendioso um paciente comprar determinado medicamento, devido ao preço elevado.

“Como farmacêutico conheco o sector e aqui atendemos e aconselhamos com dignidade os nossos clientes”, informou tendo realcado o facto da existencia, agora, no país de depósitos de medicamentos para o sector privado autorizado pelo Ministério de Saúde.

“Nós compramos os nossos medicamentos nesses depositos e são de proveniência europeia, nomeadamente, portugal, franca, alemanha entre outros”, explicou.

Instado a dizer de como qualifica o funcionamento das farmácias no país, Akhdar disse que não obstante algumas situações, tem-se notado melhorias em comparação com anos anteriores.

“Devido ao empenho do Ministério de Saúde, as farmácias têm mais aspecto. Apostam mais na formação dos seus agentes e estão a melhorar o atendimento aos seus clientes”, disse.

Confrontado ainda com a situação de muitas farmácias continuarem a vender os medicamentos que não correspondem com as receitas médicas, Ahmed Akhdar informou que isso compete ao governo fiscalizar as farmácias.

“Mas de momento essa prática está a ser combatida paulatinamente devido ao encontro de fiscalização que o Ministério de Saúde fez mensalmente ao nível das farmácias. Outra situação tem a ver com a falta do pessoal qualificado nas farmácias que não sabem interpretar as receitas médicas devido as formas ilegíveis de escrever dos médicos” explicou.

ANG/ÂC/JAM


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw