Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 18 de Julho de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Politica/ Oposição responsabiliza Governo pela greve da Polícia em Cabo Verde

2017-12-29

(ANG) – Os partidos políticos da oposição em Cabo Verde manifestaram-se, quarta-feira, preocupados com a greve de três dias na Polícia Nacional (PN), responsabilizando o Governo "por não ter cumprido" os compromissos assumidos nas negociações com o sindicato representativo dos efetivos policiais.



Numa primeira reação a esta que é a primeira greve levada a cabo em 147 anos da história da instituição policial do arquipélago, a presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), principal força da oposição do país, apelou ao Governo de Ulisses Correia e Silva para "esgotar todas as vias do diálogo para proteger o país e os cidadãos".

Segundo Janira Hopffer Almada, os cidadãos, principalmente os da capital onde tem sido alta a taxa da criminalidade, estão apreensivos quanto à sua segurança nesta quadra festiva.

A líder do PAICV disse também lamentar o facto de o Governo não ter cumprido com o acordo celebrado há nove meses e nem conseguido negociar para evitar a greve.

“Esta é a primeira vez na nossa história que a Polícia faz greve, após em março deste ano ter feito um pré-aviso que só não se efetivou por o Governo ter celebrado um acordo com a Polícia Nacional e que não conseguiu cumprir passados nove meses”, recordou.

Janira Hopffer Almada ressaltou que é “muito preocupante que, face aos fenómenos que vêm acontecendo e à insegurança que vem reinando, pessoas e bens sejam confrontados com essa situação”.

Por sua vez, líder da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), partido da oposição com três assentos no Parlamento, afirmou que o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva “deve intervir” para se encontrar uma solução negociada para evitar o prolongamento da greve de três dias.

“Ainda ontem, tínhamos a esperança (de) que o Governo pudesse sentar-se à mesa com o sindicato representativo dos polícias para que se encontrasse uma solução, mesmo que se protelasse um pouco mais a entrada em vigor do acordo”, afirmou António Monteiro.

Segundo ele, uma greve dos polícias nesta altura do ano, ou seja das festas, “poderá aumentar o sentimento de insegurança que as pessoas têm tido nos últimos anos em Cabo Verde”.

Na perspetiva do presidente da UCID, esta greve poderia ter sido evitada se o “Governo fosse um pouco mais flexível, ou então, se em março deste ano, altura da assinatura do acordo com o sindicato da Polícia, tivesse dito de forma clara que tinha em mente uma outra política de segurança e que não seria possível aceitar o compromisso que assumiu”.

Já o Movimento para a Democracia (MpD), maioria parlamentar que suporta o Governo, diz-se “surpreso” com a greve dos polícias, tendo em conta os investimentos feitos no ano e meio de governação desse partido na “melhoria das condições salariais” e em equipamentos da PN.

Numa conferência de imprensa para reagir à greve, o secretário-geral do MpD, Miguel Monteiro, defendeu que, no último ano e meio de governação do seu partido, "foram tomadas medidas importantes, nomeadamente no que diz respeito à aprovação do estatuto remuneratório da PN".

Segundo ele, entre as medidas tomadas inclui-se igualmente a resolução dos processo de promoções e progressões, assim como o reforço dos meios operacionais e de segurança.

“A esta situação de melhoria gradual e consistente das condições de trabalho da PN, podemos contrapor com as condições que a PN não tinha até 2016, e que nunca foram alvo de queixa, quanto mais motivo de greve”, lamentou o secretário geral do MpD.

Miguel Monteiro garantiu, por isso, que o Governo “cumpriu com o acordado com o sindicato da Polícia Nacional”.

A paralisação em causa foi convocada pelo Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) para os dias 27, 28 e 29 deste mês.

ANG/Pana


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw