Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 19 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Economia/ Guiné-Bissau com crescimento económico acima da média global e regional em 2018

2018-01-16

(ANG) - A Guiné-Bissau, a par de Cabo Verde deverão registar um crescimento económico acima da média regional e global em 2018, de acordo com o Banco Mundial, que reduziu significativamente as previsões de crescimento para Moçambique, elevando-as para Angola.



O relatório “Perspectivas Económicas Globais”, divulgado na semana passada em Washington pelo Banco Mundial, afirma que o crescimento económico na África a sul do Saara deverá manter uma trajectória de aceleração em relação a 2017 (2,4%), para 3,2% este ano – ligeiramente acima da média global (3,1%).

As mais recentes estimativas do Banco Mundial revêem em alta de 0,4 pontos percentuais o crescimento económico na Guiné-Bissau em 2017, para 5,5%.

A economia guineense deverá crescer este ano 5,2%, acelerando para 5,4% no próximo ano, o ritmo de crescimento mais elevado entre os países africanos de língua portuguesa.

Cabo Verde viu o crescimento do ano passado revisto em alta de 0,2 pontos percentuais, para 3,5%, prevendo o Banco Mundial uma aceleração para 3,6% este ano e 3,8% em 2019 e 2020.

Angola foi, entre os países africanos de língua portuguesa, aquele que registou uma mais acentuada melhoria de perspectivas de crescimento económico em 2018, com uma revisão em alta de 0,7 pontos percentuais, para 1,6%, devido a uma “transição política de sucesso”, com impacto na “possibilidade de reformas que melhorem o ambiente de negócios”, de acordo com o Banco Mundial.

“A região deve assistir a uma subida da actividade [económica] durante o horizonte das previsões, alicerçada na consolidação dos preços das matérias-primas e no fortalecimento gradual da procura interna”, adianta.

Para 2019 e 2020, o Banco Mundial prevê um crescimento de 1,5% para a economia angolana, fortemente dependente da produção de petróleo, cujos preços têm vindo a subir significativamente nos últimos meses.

Em sentido inverso, a economia moçambicana foi alvo de uma forte revisão em baixa pelo Banco Mundial – menos 2,9 pontos percentuais este ano, para 3,2%, ligeiramente acima dos 3,1% de 2017 (revisão em baixa de 1,7 pontos percentuais).

“Os custos de serviço da dívida continuaram insustentáveis em Moçambique e no Chade, salientando a necessidade de os governos nestes e noutros países de baixo rendimento manterem os seus esforços de mobilização da receita interna e de racionalização da despesa pública”, refere o relatório.

Para 2019, o crescimento previsto para a economia moçambicana é de 3,4%, uma revisão em baixa de 3,3%, nível que deverá manter-se em 2020, segundo o Banco Mundial.

O relatório não apresenta previsões para São Tomé e Príncipe, mas as do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontam para uma aceleração do crescimento económico no arquipélago – o mais recente membro do Fórum Macau, depois de ter estabelecido relações diplomáticas com a China – de 5% em 2017 para 5,5% em 2018.

ANG/Macauhub


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw